Alitalia pede desculpa por pintar ator de negro para retratar Barack Obama

Na publicação no Twitter, a Alitalia emitiu o pedido de desculpas “pelas ofensas causadas pelo video promocional pela nova rota para Washington”.

A companhia aérea italiana Alitalia está a ser alvo de fortes críticas após lançar um vídeo a promover a nova rota para Washington. Aqui, um homem surge a caracterizar o antigo presidente dos Estados Unidos da América Barack Obama com a cara pintada de negro, o que gerou desconforto entre os utilizadores das redes sociais.

No entanto, este não é o único presidente retratado, sendo que em outros vídeos surgem Abraham Lincoln, George Washington e Donald Trump. O vídeo em que aparece a representação de Obama já foi retirado das redes sociais da companhia aérea italiana e mereceu um pedido de desculpa da Alitalia no Twitter.

Sabe-se que o ator que interpreta Barack Obama no vídeo é de descendência italiana e tunisina, e surge com a cara pintada de negro, com o nariz aumentado, e com a boca e lábios alterados no mesmo vídeo.

Antes de eliminar o vídeo das redes sociais, a companhia aérea chegou defendê-lo. Na publicação no Twitter, a Alitalia emitiu o pedido de desculpas “pelas ofensas causadas pelo video promocional pela nova rota para Washington”. “Para a nossa companhia, o respeito por todos é mandatário, e nunca tivemos a intenção de magoar ninguém”, assumem. “Vamos aprender com o que aconteceu”, sublinhou a transportadora aérea na última linha.

Ler mais
Recomendadas
pedro-pardal-henriques

Motoristas avançam com greve ao trabalho suplementar no início de setembro

O sindicato dos motoristas de matérias perigosas vai entregar hoje o pré-aviso de greve ao trabalho suplementar, após não chegarem a acordo com os patrões. “O único regime em que as pessoas podem fazer trabalho suplementar sem receberem é a Coreia do Norte”, disse Pardal Henriques.

Adivinhar o futuro

É necessário o relançamento de uma política fiscal que favoreça a atividade empresarial, sobretudo que permita o incremento da competitividade.

Dividir Google, Amazon, Facebook, Apple e Microsoft: o Oriente agradece

Atualmente, quando se pensa na divisão das megaempresas para ganhar terreno no plano concorrencial, não se pode pensar apenas no plano económico, também importa pensar no plano geopolítico.
Comentários