Alojamento Local: PS admite mais fiscalização em vez de poder de veto para condomínios

Socialistas prometem solução que acautele os interesses de todas as partes e minimize impacto na economia. Poder de veto de condomínios deve cair.

Cristina Bernardo

O Partido Socialista (PS) admite deixar cair a polémica medida que prevê atribuir às assembleias de condomínio o poder de vetar a utilização de imóveis para alojamento local. Em cima da mesa está agora uma solução alternativa, que passa por uma atuação à posteriori: as licenças dos alojamentos locais poderão ser revogadas se ocorrerem “reiteradas e consistentes” situações de ruído excessivo ou outras atitudes que ponham em causa os direitos dos outros proprietários, disse ao Jornal Económico o deputado socialista Luís Testa.

Em declarações ao Jornal Económico, o coordenador do grupo parlamentar do PS na comissão parlamentar de Economia explicou que os deputados do partido estão a avaliar diferentes soluções para levar à discussão na especialidade, no grupo de trabalho que foi constituído.

O PS quer ter em conta as opiniões dos representantes das diferentes partes envolvidas, para que a nova lei “concilie os interesses de todos”, reconhecendo que “o alojamento local não é habitação”, e, ao mesmo tempo, “minimizando o impacto que a regulamentação do sector possa ter na economia nacional”.

“Não admitimos que a anterior proposta [que dava aos condomínios o direito de vetar a existência de alojamentos locais e teve a oposição do Governo e de várias câmaras municipais] tenha morrido de vez, mas queremos evitar os potenciais efeitos negativos que isso possa ter na economia. Este sector está a ter um contributo muito positivo para o crescimento da economia e do emprego”, defendeu.

“Admitimos uma solução que passe por permitir aos condomínios que actuem à posteriori. Perante constantes e reiteradas situações de ruído excessivo ou outras más práticas, os condomínios poderão denunciar a situação à autoridade competente e esta poderá retirar a licença ao alojamento local em questão”, afirmou Luís Testa, acrescentando que será necessário definir o que constitui uma prática “reiterada e consistente” e de que forma poderão ser registadas essas ocorrências.

Além da possibilidade de retirada da licença em caso de violação das leis e dos regulamentos dos condomínios relativos ao ruído e à utilização dos espaços comuns, o grupo parlamentar do PS admite que os alojamentos locais passem a pagar mais em despesas de condomínio, para compensarem os restantes condóminos pela utilização dos elevadores e de outros espaços e infraestruturas comuns.

Além do PS, apresentaram propostas de alteração à atual legislação o CDS, o Bloco de Esquerda, o PCP e o PAN. Por sua vez, o PSD não apresentou proposta, argumentando que não se deve “burocratizar” o setor.

 

Esta notícia foi publicada na edição semanal do Jornal Económico, de acesso exclusivo para assinantes. Para ter acesso à edição digital escolha uma das seguintes assinaturas Jornal Económico Digital, ou faça log in aqui.
Ler mais
Recomendadas

Jornal Económico teve melhor desempenho de sempre no primeiro trimestre de 2019

Site do Jornal Económico recebeu 12,5 milhões de visitas entre janeiro e março de 2019, o que representa uma subida de 20% face ao mesmo período do ano passado. Número de utilizadores do site cresceu 30% para cinco milhões e circulação da edição semanal superou pela primeira vez a fasquia dos dez mil exemplares. Obrigado pela sua preferência!

Ministro do Planeamento: Governo quer ter 100% do Portugal 2020 aprovado até ao fim do ano e uma execução de 50%

Nelson de Souza revelou em entrevista à Antena1/Negócios que as aprovações em curso, ao longo de 2019, dos fundos de coesão – sem contar com a agricultura – vão corresponder a um total de 5 mil milhões de euros.

Agência Espacial: Portugal pretende multiplicar negócios por dez até 2030

Acabada de criar, a Agência Espacial Portuguesa é vista pelo ministro da Ciência, Manuel Heitor, como a força capaz de criar mil empregos e gerar uma faturação de 400 milhões de euros até ao fim da próxima década.
Comentários