Altice Portugal integra no grupo dois mil trabalhadores dos ‘call centers’

Áreas comercial e ‘call center’ do Meo, até agora asseguradas pela Manpower, vão ser assumidas pela Intelcia Portugal, empresa controlada pela Altice. Trabalhadores mantêm salários e direitos de antiguidade. Número de colaboradores do grupo aumenta 25%. CEO justifica integração com crescente foco no cliente e na qualidade do serviço.

Presidente executivo da Altice Portugal, Alexandre Fonseca | Foto cedida

A Altice passou a deter 65% da Intelcia Portugal, um dos principais players na área de outsourcing. A Intelcia passa a ser o prestador preferencial dos serviços de atendimento ao cliente da operadora liderada por Alexandre Fonseca, num movimento que contempla a integração de dois mil novos colaboradores no grupo Altice, explicou ontem o CEO, num encontro com jornalistas.

As áreas de Customer Care e Commercial da operadora dona do Meo, até agora asseguradas pela ManpowerGroup Solutions, vão ser totalmente assumidas pela Intelcia Portugal. Os dois mil colaboradores destas áreas passam para a Intelcia, que está no perímetro de consolidação da Altice. O grupo dono do Meo vê assim o número de colaboradores em Portugal aumentar em cerca de 25%.

A Intelcia, que está presente em Portugal desde 2018, tem como clientes várias empresas nas áreas da tecnologia, telecomunicações e seguros. Com a integração na Altice, a Intelcia vai continuar a trabalhar com empresas externas à Altice, acrescentou Alexandre Fonseca, justificando o movimento com o crescente foco no cliente e na qualidade de serviço.

A Altice não espera resistência a esta medida por parte dos colaboradores envolvidos, que foram ontem informados, disse Alexandre Fonseca. A integração no grupo vai ao encontro das reivindicações dos sindicatos que representam os trabalhadores dos call centers da Altice e de outras grandes empresas.

“Asseguramos não só a manutenção de todas as condições que esses colaboradores tinham na empresa de origem – condições laborais e remuneratórias, antiguidade – mas também um seguro de saúde da Multicare”, disse Alexandre Fonseca, frisando que o grupo não estava obrigado, por lei, a dar este passo.

Questionado sobre a estratégia do grupo, o CEO afirmou que a Altice está a reduzir a exposição a negócios non-core – como foi o caso da recente abertura do capital da subsidiária que gere a rede de fibra ótica -, para se focar na prestação de serviços, indo além do tradicional negócio das telecomunicações.

A Altice quer transformar-se numa prestadora dos mais diversos serviços, tirando proveito da sua extensa base de clientes residenciais e empresariais. Áreas como os serviços financeiros e a produção de conteúdos continuam na mira do grupo, afirmou Alexandre Fonseca. “Quando temos de ser rápidos, sabemos ser. Mas na maioria das vezes gostamos de fazer as coisas no seu devido ritmo”, disse.

Ler mais
Relacionadas

Cellnex entra em Portugal ao comprar torres de telecomunicações da OMTEL por 800 milhões de euros

A OMTEL controla três mil infraestruturas de telecomunicações em Portugal, cerca de 25% das torres de telecomunicações do mercado nacional. A empresa espanhola paga 200 milhões à Altice Europe pela participação de 25% da Altice Portugal na empresa. Portugal passa a ser o oitavo país da Europa onde a Cellnex tem atividade.

Alexandre Fonseca: Venda de 49,99% da fibra ótica à Morgan Stanley demonstra “capacidade da Altice em atrair investimento internacional”

O presidente executivo da Altice Portugal, Alexandre Fonseca, afirmou hoje que a venda de 49,99% da da rede de fibra ótica à Morgan Stanley Infraestructures Partners demonstra a capacidade “em atrair investimento internacional”.
Recomendadas

Bordado Madeira com quebras de entre 30 a 40% na comercialização

Em 2019, a comercialização chegou aos 545 mil euros mas, este ano, a Secretaria Regional da Agricultura e Desenvolvimento Rural, estima que se fique pelos 300 mil euros.

Moody’s mantém rating do CaixaBank e põe o do Bankia em revisão para ‘upgrade’

A agência de notação financeira norte-americana manteve a perspetiva estável do banco espanhol que detém o BPI.

BES: Depoimento de Carlos Costa no recurso da KPMG a coimas do BdP foi adiado

O Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão acabou por ouvir apenas o perito Pedro Pereira, técnico superior do BdP, num depoimento que prosseguirá na próxima quinta-feira.
Comentários