Altri e Greenvolt de olho em 2.800 megawatts renováveis na Polónia e na Grécia

A V-Ridium é uma empresa que opera no sector das energias renováveis sediada na Polónia com um ‘pipeline’ com 2.800 megawatts em projetos eólicos e solares principalmente na Polónia e na Grécia, dos quais “mais de 1.500 MW se encontram em fase adiantada de desenvolvimento”.

Cristina Bernardo

A Altri e a sua subsidiária para as energias renováveis Greenvolt assinaram um memorando de entendimento não vinculativo com a polaca V-Ridium Europe.

Este acordo prevê que a V-Ridium venha a realizar um aumento de capital social, que pode ter lugar através de entradas em espécie, durante a oferta pública inicial da Greenvolt, “, constituído pela
totalidade das ações representativas do capital social e dos direitos de voto da sua subsidiária V-Ridium Power Group por um preço de subscrição correspondente ao preço máximo do intervalo a ser
estabelecido no âmbito da operação IPO da GREENVOLT, e com base numa avaliação da V-Ridium
correspondente a 56 milhões de euros, valor a que poderá acrescer o montante de 14 milhões de Euros, verificadas determinadas condições a acordar entre as partes, designadamente o cumprimento do Business Plan.”

A Greenvolt é liderada pelo antigo presidente da EDP Renováveis, João Manso Neto.

A V-Ridium é uma empresa que opera no sector das energias renováveis sediada na Polónia com um ‘pipeline’ com 2.800 megawatts em projetos eólicos e solares principalmente na Polónia e na Grécia, dos quais “mais de 1.500 MW se encontram em fase adiantada de desenvolvimento”.

Com esta subscrição, a Greenvolt “passará a deter a totalidade do capital social e direitos de
voto da V-Ridium, passando por sua vez a V-R Europe a ser titular de uma participação qualificada no capital social da GREENVOLT, em percentagem determinável no IPO, contribuindo assim para maior dispersão do mesmo”.

No comunicado a Altri, esclarece que “dada a natureza não vinculativa do memorando as “condições suspensivas a que a operação se encontra sujeita, não existe ainda certeza quanto à concretização desta projetada operação, tendo o presente comunicado em vista informar desde já o mercado da possibilidade de, no contexto do IPO, uma participação qualificada representativa do capital social e dos direitos de voto da GREENVOLT poder vir a ser detida por um acionista pré-determinado, a V-R EUROPE, em consequência da possível concretização desta projetada operação.

A V-R Europe “conferiu exclusividade nas negociações com vista à conclusão desta transação até 31 de outubro de 2021”.

“A possível concretização da operação acordada no mencionado MoU, enquadra-se no ambicioso projeto de expansão nacional e internacional da GREENVOLT e constitui mais uma etapa no processo de afirmação da sociedade como um player de referência, a nível internacional, no mercado das energias renováveis, contribuindo, em especial, no contexto da sua estratégia de crescimento, para a expansão do seu negócio nos sectores das energias eólica e fotovoltaica no contexto europeu”, conclui a Altri no comunicado enviado à CMVM.

Ler mais

Recomendadas

Porto de Lisboa com protocolo de segurança para receber cruzeiros

No âmbito do processo de levantamento gradual das restrições impostas para travar a covid-19, “a partir das 00:00 horas desta segunda-feira e até às 23:59 horas de 30 de maio, é permitido o embarque, desembarque e licenças para terra de passageiros e tripulações dos navios de cruzeiro em portos localizados em território nacional continental”, lembra a Administração do Porto de Lisboa (APL), num comunicado hoje emitido.

“Senti como uma agressão. Um modo de agir preconceituoso e racista”. Deputada Romualda Fernandes reage a episódio com a Lusa

Citada hoje pelo Público, a deputada socialista refere que “infelizmente” não lê o episódio “como um lapso, ou como um erro”, porque no seu entender “reflete um pensamento, um modo de agir profundamente preconceituoso e racista” que sentiu “como uma agressão”.

Turismo em Portugal deverá crescer 20% a 30% em 2021, estima Governo

“Se tudo continuar a correr bem ao nível do plano de vacinação, do controlo das novas estirpes e do certificado verde digital, temos boas perspetivas para ficarmos neste ano 20% a 30% acima do ano passado”, realçou a governante em entrevista.
Comentários