Alunos com piores notas em português escolhem carreira de professores

Os alunos que escolhem os cursos superiores de Educação têm uma média de 10,2 valores a português. Pior só os alunos que escolhem Turismo, Serviço Social e Restauração com uma média de 10 valores a português, escreve o Público.

Os alunos que escolhem licenciaturas da área da Educação em Portugal e que pretendem tornarem-se docentes estão na lista dos que têm piores notas na disciplina de Português, revela o “Público” na edição desta quinta-feira, 10 de janeiro.

Com base num estudo da Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC), o diário escreve que os estudantes que entraram em cursos superiores de Educação em 2016/2017 tiveram uma média de 10,2 valores no exame nacional de Português.

Pior só estão os que ingressaram cursos da área de Serviços (Turismo, Serviço Social, Restauração), com uma classificação média de 10 valores.

“Não constitui surpresa. Esta era já uma leitura intuitiva que se fazia a partir das notas mínimas exigidas para determinados cursos e universidades”, disse ao jornal Filomena Viegas, presidente da Associação de Professores de Português.

De acordo com o mesmo documento, as melhores médias no exame de Português são de escolas secundárias em Viseu, Viana do Castelo e Santarém. Por outro lado, os alunos que terminaram o secundário em Castelo Branco, Faro e Açores tiveram os piores resultados.

Recomendadas

Veja os países da União Europeia onde os preços das casas mais subiram em 2018

Segundo o Eurostat, Portugal foi o país da União Europeia onde se verificou uma maior subida dos preços da habitação no ano passado.

Consultar o livrete dos carros vai passar a ser mais fácil. Conheça o novo Documento Único Automóvel

O novo DUA entra em vigor em 01 de agosto e aplica-se, numa primeira fase, a novas matrículas, e em 2020 a todos os veículos.

Governo estima atribuir 156 mil novas pensões este ano

Os dados foram avançados por Mário Centeno na Comissão do Trabalho e da Segurança Social, em resposta a críticas dos deputados sobre atrasos na atribuição de pensões.
Comentários