Álvaro Sobrinho suspeito de desviar 500 milhões de dólares do BESA

Ministério Público quer arrestar os bens do ex-presidente do BESA e atual acionista de referência do Sporting, mas o advogado do angolano argumenta que não há indícios de crime.

Álvaro Sobrinho

O ex-presidente do Banco Espírito Santo Angola (BESA) é suspeito de ter desviado 500 milhões de dólares, o equivalente a 471 milhões de euros, do banco. O Ministério Público (MP) estará a investigar a apropriação de fundos por parte de Álvaro Sobrinho para si próprio e para terceiros, segundo noticia o “Correio da Manhã”.

No acórdão do Tribunal da Relação de Lisboa, que data de julho de 2016 e a que o CM teve acesso, o MP refere que Álvaro Sobrinho se terá apropriado de uma verba milionária “que integra valores colocados ao dispor” da presidência do BESA, “em contas abertas em Portugal, e de onde saíram também, com destino à Suíça, para contas da titularidade do arguido e de sociedades que existem no seu interesse”.

Quando Sobrinho deixou o cargo, em 2012, tinha uma dívida ao BES de 3,3 mil milhões de euros. O valor era referente a créditos recebidos da casa-mãe. “A prova existente é passível de revelar o envolvimento do arguido em processos de concessão fraudulenta de crédito”, diz ainda o MP, citado pelo CM. O tribunal quer agora arrestar os bens de Sobrinho, mas o advogado do angolano refuta as acusações, argumentando que o tribunal não encontrou indícios de crime.

Recomendadas

PremiumRoger Tamraz desiste do EuroBic se não ficar maioritário

Acordo com Isabel dos Santos pode cair se investidor libanês não chegar a acordo com outros acionistas do EuroBic.

PremiumIsabel dos Santos contrata Marco António Costa

Ex-secretário de Estado é o advogado que representa a empresária angolana no processo de venda da sua posição no EuroBic a empresário libanês. Advogado tem mantido contactos com o supervisor.

PremiumSantander oferece dois salários nas rescisões e cria embaraço ao plano do Banco Montepio

Santander oferece dois salários por ano de trabalho nas rescisões amigáveis. Isso está a dificultar o plano do Montepio, disposto a pagar só 1,3 salários.
Comentários