Amazon compra Whole Foods por 12,5 mil milhões de euros

A maior loja de retalho online vai pagar 42 dólares por ação, para adquirir a cadeia de supermercados biológica, um negócio avaliado em 13,7 mil milhões de dólares.

A Amazon.com Inc, a maior loja de retalho online ofereceu 13,7 mil milhões de dólares, cerca de (12,5 mil milhões de euros) para comprar a cadeia de supermercados Whole Foods Market Inc., conta a Bloomberg.

A empresa liderada por Jeff Bezos vai pagar 42 dólares por ação (cerca de 37 euros). John Mackey, o co-fundador e diretor executivo da Whole Foods vai continuar a liderar o negócio.

Está é a maior compra da loja online, até agora, que pretende assumir uma posição forte nos supermercados. Em 2014 a Amazon adquiriu a Twitch Interactive Inc. por 970 milhões de dólares, cerca de 865 milhões de euros.

“Milhões de pessoas adoram a Whole Foods Market porque oferecem os melhores alimentos naturais e biológicos, e fazem com que seja divertido comer de forma saudável”, disse Jeff Bezos, em comunicado.

Depois do acordo ter sido anunciado, as ações da Amazon aumentaram 3,3%, enquanto as ações de outras grandes empresas de retalho como a Target, Walmart e Costco Wholesale caíram acenturadamente.

A Whole Foods foi fundada em 1978 em Austin, Texas, e é mais conhecida por vender alimentos biológicos. A empresa construiu a sua marca em torno de alimentação saudável e apostou a sua reputação em produtos frescos e locais, a um preço mais elevado.

 

Ler mais
Recomendadas

Preços predatórios continuam a dominar o setor da segurança privada

O problema do ‘dumping’ no negócio da segurança privada ainda não foi mitigado. A responsabilidade solidária imposta pela Lei da Segurança Privada, de julho, poderá contudo ser a solução.

Segurança privada. Contratação com prejuízo é uma prática generalizada

No geral, os preços de contratação da segurança privada continuam a ser feitos com prejuízo. A rentabilidade dos capitais próprios das empresas do setor é negativa e a lei da segurança privada impõe responsabilidade solidária ao cliente, o que pode contribuir para a redução das más práticas.

Diretiva Netflix: Cofina quer apostar na criação de conteúdos para exportar

À boleia das novas regras europeias que exigem que plataformas como a HBO ou a Netflix tenham 30% de conteúdos europeus, a Cofina espera “intensificar a criação de conteúdos de perfil exportador”, após a compra da Media Capital, dona da Plural, produtora de conteúdos.
Comentários