Ana Catarina Mendes considera “tremenda injustiça” ataque de Sócrates ao PS e a Costa

A líder parlamentar socialista, Ana Catarina Mendes, sublinhou que o PS “nunca apagou da história” o antigo primeiro-ministro, que é arguido na “Operação Marquês”, e lembrou que o partido sempre disse que “deixaria o processo correr na Justiça”.

ana_catarina_mendes_ps
José Sena Goulão/Lusa

O Partido Socialista (PS) disse esta quarta-feira que é uma “tremenda injustiça o ataque” do antigo primeiro-ministro José Sócrates à direção do partido e ao seu secretário-geral, António Costa. A líder parlamentar socialista, Ana Catarina Mendes, sublinhou que o PS “nunca apagou da história” José Sócrates, que é arguido na “Operação Marquês”, e lembrou que o partido sempre disse que “deixaria o processo correr na Justiça”.

“O PS nunca apagou a história, José Sócrates deu a primeira e única maioria absoluta ao PS, foi secretário-geral e primeiro-ministro. O PS, desde o início, quase há sete anos, sempre frisou que deixaria o processo correr na justiça para que fizesse o trabalho que tem a fazer”, referiu Ana Catarina Mendes, no programa “Circulatura do Quadrado” na TVI24, onde é comentadora habitual, em resposta às críticas de José Sócrates.

Horas antes, José Sócrates tinha sido entrevistado na mesma estação de televisão, onde reiterou que é “inocente” e atacou o PS e o autarca lisboeta, Fernando Medina, que o acusou de ter tido um comportamento inaceitável que “corrói o funcionamento da vida democrática”. O antigo primeiro-ministro classificou as declarações de “profunda canalhice” e apontou o dedo a António Costa por ser o “mandante” dessas palavras.

Em resposta a isso, a líder parlamentar do PS classificou a entrevista concedida por José Sócrates “é absolutamente injusta para o PS”. “Acho que há momentos em que é preciso recato. E o recato aconselhava que nós não estivéssemos aqui numa nova sessão de tentativa de explicação [da “Operação Marquês”]. Reitero que este processo está longíssimo de estar acabado, infelizmente para a Justiça”, declarou.

Na decisão instrutória do juiz Ivo Rosa, que foi conhecida na passada sexta-feira, José Sócrates foi pronunciado pela prática de seis crimes (três de branqueamento de capitais e outros três por falsificação de documentos), no âmbito da “Operação Marquês”. A maioria dos crimes de que estava acusado, incluindo os três crimes de corrupção apontado pelo Ministério Público, caíram, por prescrição e falta de provas.

Relacionadas

José Sócrates classifica declarações de Fernando Medina de “profunda canalhice”

O antigo primeiro-ministro deixou duras críticas à direção do Partido Socialista. “Grande parte desses que dizem essas coisas estão a ajustar contas com a sua própria cobardia moral”, referiu em entrevista à “TVI”.

José Sócrates: “Ao longo dos meus seis anos de mandato nunca houve um ato concreto de corrupção”

Em entrevista à “TVI”, o antigo primeiro ministro considera que o juiz Ivo Rosa “não fez mais que o seu dever” ao anular os crimes de corrupção pelos quais José Sócrates era acusado.

Medina acusa Sócrates de romper “laços de confiança” entre eleitores e eleitos

O dirigente socialista e autarca lisboeta responsabilizou o ex-primeiro-ministro por descredibilizar o sistema político e corroer o “funcionamento da democracia”, ao ser julgado por “um crime no exercício de funções um ex-primeiro-ministro”, no âmbito da “Operação Marquês”.
Recomendadas

Ex-deputado Agostinho Branquinho nega tráfico de influências na construção de hospital em Valongo

“Não tenho nada a ver com o processo que diz respeito ao licenciamento camarário. Nunca, mas mesmo nunca, falei com alguém da câmara de Valongo, não estive em nenhuma reunião e nunca fui à câmara tratar deste assunto”, declarou o arguido.

Julgamento de Ricardo Salgado volta a ser adiado (com áudio)

O julgamento foi adiado a pedido do Ministério Público e marcado para 6 de julho.

“O Estado de Direito precisa como nunca de juristas fiéis aos seus valores tradicionais”

Ética, globalização e digitalização são três os grandes desafios que o ensino do Direito enfrenta neste momento, diz Jorge Pereira da Silva, Diretor da Escola de Lisboa da Faculdade de Direito da UCP.
Comentários