Ana Mendes Godinho: a ministra que gosta de desafios difíceis

A nova ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social sucede a Vieira da Silva, um dos pesos pesados do PS que se decidiu reformar da política.

O perfil profissional de Ana Mendes Godinho levou o primeiro-ministro António Costa a entregar-lhe uma das pastas mais pesadas , a do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social: No Governo é-lhe reconhecida a exigência, a capacidade de liderança e de gestão.  Pela frente terá nos próximos tempos uma negociação difícil com patrões e sindicatos. “Sou bastante exigente, é verdade, mas também bastante exigente comigo, ponho muito a mão na massa, gosto de perceber as coisas a fundo, a palavra porquê está sempre na minha cabeça”, confessou numa entrevista à Publituris, uma publicação especializada em turismo, publicada em 2016. Casada e com três filhos, é licenciada em Direito, pela Universidade de Lisboa, e ocupou a secretaria de Estado do Turismo entre 2015 e 2019, vários anos depois de ter chefiado o gabinete do secretário de Estado do Turismo dos governos de José Sócrates, Bernardo Trindade.

Durante a sua tutela, Portugal ganhou vários prémios de turismo a nível internacional, incluindo Melhor Destino Turístico do Mundo nos World Travel Awards e Melhor Destino Turístico europeu. Nascida em Lisboa em 1972 viveu até aos dois anos e meio em África, esteve um ano em Itália, e estudou até ao sétimo ano no colégio Mira Rio. Mais tarde, escolheu Direito e formou-se na Universidade Clássica de Lisboa, onde acabaria por conhecer o marido, seu colega de curso.

Com uma pós-graduação em Direito do Trabalho e Logística e Ciência da Legislação, recebeu em 2005 um convite de Bernardo Trindade para o gabinete da Secretaria de Estado do Turismo. De 2010 a 2011 foi vice-presidente do Turismo de Portugal, então presidido por Luís Patrão. A seguir, foi directora dos Serviços de Apoio à Actividade Inspectiva e Inspectora do Trabalho da Autoridade para as Condições do Trabalho entre 2012 e 2015- imediatamente antes de ir para o Governo de António Costa como secretária de Estado do Turismo.

Nessa altura, recebeu um telefonema do antigo ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, para pertencer a uma solução de Governo. Falou com a família e aceitou o convite para desempenhar o cargo. Pelo meio do percurso profissional, foi ainda coordenadora e docente do curso de Pós-graduação de Direito do Turismo na Faculdade de Direito de Lisboa, vice-Presidente do Conselho geral do Fundo Imobiliário de Apoio às Empresas ou administradora da Turismo Capital.

Entre os principais hobbies da nova ministra estão a leitura, a dança e a costura, chegando mesmo a fazer camisolas e camisas para os filhos.

Relacionadas

“Desde 2015 foram captadas 584 novas operações e rotas aéreas”

Turismo em Portugal tem sofrido uma mudança estrutural, deixando de ser uma atividade sazonal. Novos mercados de origem foram captados, como os EUA, Brasil e Coreia do Sul. Brexit é o maior desafio.
Recomendadas

Ministra admite que a precariedade na Cultura está “mais visível” mas sem solução “em dois meses”

Segundo a ministra, o Governo está “a trabalhar” e assumiu “o compromisso de, ao longo deste ano, resolver as questões laborais, de carreiras contributivas” ou “de descontos” destes profissionais, entre outras matérias.

Morreu Luís Pimentel, ex-secretário-geral adjunto do PSD

Luís Pedro Pimentel, natural de Alijó, distrito de Vila Real, foi secretário-geral adjunto dos sociais-democratas durante a liderança de Pedro Passos Coelho, quando o secretário-geral era José Matos Rosa, e foi deputado à Assembleia da República, que deixou em 2015.

Ministro do Ambiente congratula-se com abertura das praias mas pede cumprimento das regras

Na cerimónia de abertura da época balnear, que decorreu na Praia da Rocha, em Portimão, João Pedro Matos Fernandes revelou-se orgulhoso “por não haver praias privadas em Portugal”, defendendo que o “acesso ao areal deve ser livre, mas há que garantir as regras impostas este ano”.
Comentários