Anacom avança com plano de migração da TDT e marca teste piloto para 27 de novembro

A migração da faixa dos 700 MHz da televisão digital terrestre é essencial para o desenvolvimento do 5G em portugal, cujo lançamento está previsto para julho de 2020.

O plano de desenvolvimento da migração da rede televisão digital terrestre (TDT) para libertar a faixa dos 700 MHz, para dar lugar às frequências do da quinta geração móvel (5G), e o respetivo calendário a ser cumprido pela Meo já foi aprovado, anunciou a Autoridade Nacional das Comunicações esta terça-feira, 8 de outubro. O teste piloto está marcado para o dia 27 de novembro.

O teste piloto consistirá na alteração do emissor de Odivelas Centro, “que passará do canal 56 para o canal 35″, explica o regulador das telecomunicações no seu site. Por determinação da Anacom, o teste será levado a cabo pela Meo, controlada pela Altice Portugal”.

A alteração dos emissores, nomeadamente o de Odivelas Centro, em 27 de novembro, “implicará que as pessoas apenas tenham que sintonizar o seu televisor, usando o comando da televisão ou da box TDT [descodificador TDT]”. A Anacom esclarece, ainda, que “não será necessário reorientar a antena de receção [os emissores vão ficar no mesmo sítio], nem trocar a televisão ou o descodificador TDT. Também ninguém terá que subscrever serviços de televisão paga [pacotes de televisão], pois todas as pessoas poderão continuar a ver televisão gratuita, como acontece agora.

Caso os clientes da TDT fiquem com o ecrã negro bastará “sintonizar a televisão ou o descodificador TDT”.

“Depois da alteração do emissor de Odivelas Centro, no dia 27 de novembro, as alterações dos restantes emissores que compõem a rede de TDT começam entre a terceira semana de janeiro e a primeira semana de fevereiro de 2020 e terminam no dia 30 de junho de 2020”, acrescenta o organismo liderado por João Cadete de Matos, que recorda que o processo arranca no sul do país e terminará nas regiões autónomas dos Açores e da Madeira.

A Anacom diz que “flexibilizou o calendário, face ao roteiro que tinha estabelecido, atentas as preocupações manifestadas pela Meo, pelo que caberá a esta empresa que é responsável pela difusão e transporte do sinal de televisão digital, estabelecer o calendário e o ritmo dos trabalhos, dentro dos limites definidos” pelo regulador.

“O intervalo de tempo definido pela Anacom para fazer a alteração técnica dos emissores da rede de TDT afigura-se bastante flexível e suficiente, tendo em conta o período de tempo em que decorreu o processo de alteração, idêntico a nível técnico, do canal 67 para o canal 56, ocorrido em 2011”, explica.

Quanto à Meo, a empresa “terá de enviar à Anacom um planeamento detalhado da alteração dos 240 emissores que compõem a rede de TDT, indicando a data em que será alterada cada estação emissora, por forma a habilitar” o regulador “a poder desenvolver as ações de apoio ao utilizador, atempadamente”. O prazo estabelecido pela Anacom para a Meo entregar o plano de alteração data de 15 de novembro.

Linha de apoio da Anacom
A pensar nas eventuais dificuldades dos clientes do TDT, o regulador das telecomunicações “vai disponibilizar uma linha de atendimento telefónico gratuito [diurna e noturba, abrangendo fins de semana e feriados], a divulgar oportunamente, através da qual poderão ser esclarecidas dúvidas sobre a mudança de canal, as datas e regiões abrangidas ou como fazer a sintonia do televisor ou box”.

Caso os utilizadores não consigam sintonizar os seus equipamentos, a Anacom “garantirá que os pedidos de apoio são resolvidos pelas equipas técnicas que se deslocarão por todo o país, à medida que a Meo vai fazendo as alterações aos emissores”.

 

Ler mais
Relacionadas

NOS lança primeiro tarifário disponível para o 5G

O tarifário Sem Limites conta com velocidades até 10 Mbps e um valor promocional mensal de 34,99 euros. Já o tarifário Sem Limites Max permite utilizar a máxima velocidade disponível nas comunicações móveis, por 44,99 euros.

Exclusivo: Dense Air rejeita desistir das frequências do 5G, mas está disposta a negociar

Em exclusivo ao Jornal Económico, o diretor-geral da Dense Air, Tony Boyle, explicou que está a trabalhar com a Anacom para que operadoras possam aceder ao espetro da faixa dos 3,5 GHZ – necessária para o 5G -, contudo, não prescinde do Direito de Utilização de Frequências atribuído à empresa até 2025.

5G: Anacom responde a críticas da Altice e garante processo “conforme o programado”

A Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) esclareceu hoje, face a críticas por parte da Altice, que “o processo necessário ao desenvolvimento do 5G está a decorrer conforme o programado e de acordo com as determinações europeias”.

“Portugal está a perder dezenas de milhões de euros com o atraso no 5G”, diz presidente executivo da Altice Portugal

São dezenas de milhões de euros o valor que Portugal está a perder com o atraso no desenvolvimento da quinta geração de comunicações móveis, o designado 5G. Eis a estimativa feita pelo presidente executivo da Altice Portugal, Alexandre Fonseca, considerando que só há um responsável por este atraso: o regulador Anacom.
Recomendadas

Vendas dos lojistas com quebras de 37% face a 2019. Em Lisboa, a redução é superior a 40%

Por sector de atividade, a restauração continua a ser o setor mais afetado, com a descida das vendas a registar 49,1%, o sector de retalho 34,3% e o sector de serviços 38,5%.

Sociedade do Luxemburgo quer comprar até 450 milhões de euros de dívida da dona do Minipreço

A sociedade do Luxemburgo é a DEA Finance, que é detida pela LetterOne. A mesma LetterOne que é a principal acionista da dona do Minipreço, com 69,76% do capital.

PSD diz que “começa a ser evidente” necessidade de uma comissão de inquérito ao Novo Banco

Em causa está mais um negócio ruinoso do Novo Banco para o Estado português, desta vez com a venda a preços de saldo de uma seguradora a um fundo detido por um milionário condenado por corrupção. Os social-democratas dizem que comissão de inquérito é essencial para se perceber como forma feitas as compras e vendas de ativos do banco.
Comentários