Anacom diz que 5,8 milhões de casas têm ligação a redes de alta velocidade

Serviços de alta velocidade em local fixo são subscritos por 78,1% das famílias. Cerca de 5,6 milhões de lares tinham uma ligação suportada por fibra, com o regulador a estimar que 78 famílias a cada 100 tinham acesso a redes de alta velocidade a partir das suas casas, no final do primeiro semestre.

Edifício-sede da Autoridade Nacional de Comunicações, em Lisboa

Cerca de 78,1% das famílias portuguesas subscreviam serviços de alta velocidade em local fixo no final do primeiro semestre de 2021, revelou esta terça-feira a Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom). Ou seja, 78 famílias em cada 100 famílias tinham acesso a redes de alta velocidade a partir das suas casas, o que se traduz em 3,2 milhões de clientes residenciais e em cerca de 5,8 milhões de lares ‘cablados’ com redes de alta velocidade.

Em comunicado, o regulador sublinha que Lisboa é a região com uma penetração de serviços de alta velocidade em local fixo acima da média (93%), seguindo-se as regiões dos Açores (89,1%), Madeira (87,2%) e Algarve (79,3%). Nas regiões Norte (74,8%), Centro (68,1%), e Alentejo (57,9%), apesar da penetração ser mais baixa, foram aquelas cuja introdução destes serviços cresceu acima da média nacional.

“O número de clientes residenciais de serviços de alta velocidade em local fixo atingiu 3,2 milhões, mais 9,3% do que no mesmo período do ano anterior, no qual atingiu 9,5%”. O regulador estima, por isso, que, pelo menos, oito em cada dez novos clientes de redes de alta velocidade tenham subscrito um serviço suportado por rede de fibra ótica.

“Estima-se que cerca de 5,8 milhões de alojamentos estavam cablados com uma rede de alta velocidade, mais 5,3% que no mesmo semestre do ano anterior”, acrescenta a Anacom, salientando que o crescimento verificado foi superior ao registado há um ano (5% em termos homólogos).

Dos 5,8 milhões de lares, 5,6 milhões tinham uma ligação à rede por fibra ótica, o que se traduz numa cobertura de 87,6% dos serviços de alta velocidade. “Nos últimos cinco anos, os alojamentos cablados com fibra ótica têm aumentado a um ritmo médio anual de 8,7%”, dá conta a Anacom.

O número de alojamentos cablados com acessos de alta velocidade suportados em redes de televisão por cabo aumentou 0,1% face ao período homólogo, totalizando 3,7 milhões. A cobertura deste tipo de redes era de 57,5%.

No final do primeiro semestre, a entidade liderada por João Cadete de Matos observava uma cobertura das redes de alta velocidade de 90,6%, mais 4,3 pontos percentuais do no final do primeiro semestre de 2020.

Recomendadas

CEO da RealFevr: “Mercado dos ativos digitais irá multiplicar-se por 30, 40 ou 50 vezes nos próximos anos”

Fred Antunes, CEO da startup portuguesa RealFevr, destaca em entrevista ao JE a enorme oportunidade que este mercado representa: “aquilo que estamos a viver hoje foi o mesmo que experienciámos em 1997, 1998 e 1999 com o surgimento da Internet”.

Mediadores imobiliários querem mais profissionalização para enfrentar desafios do sector

APEMIP tem, entre outras prioridades, o lançamento de um portal imobiliário de referência no sector e que considera ser essencial para o segmento dos mediadores imobiliários.

EDP integra ‘task force’ global que promete investir mais de 400 mil milhões na promoção da sustentabilidade

A empresa portuguesa, a única do país que é membro deste grupo, será representada pelo CFO, Rui Teixeira. A campanha da “UN Global Compact CFO Task Force for the SDGs” arranca esta semana e quer reunir ainda mais vozes em prol de políticas financeiras sustentáveis.
Comentários