Preços das telecomunicações em Portugal estão 16 pontos percentuais acima da média da UE

Anacom divulgou esta sexta-feira uma análise à evolução dos preços relativa a janeiro de 2021. Regulador nota uma redução dos preços em Portugal, face à média europeia. Mas conclui que quebra é insuficiente para aproximar Portugal dos preços na UE. Nos últimos 12 anos, os preços subiram cresceram 6,4%, enquanto na UE caíram 9,9%.

Presidente do Conselho de Administração, João Cadete de Matos | Manuel de Almeida/LUSA

Os preços das telecomunicações em Portugal cresceram 6,4% nos últimos doze anos, sendo que no conjunto dos países da União Europeia (UE) caíram 9,9%, assegura a Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom). O regulador explica, em comunicado, que a diferença de 16,3 pontos percentuais “estreitou-se” com as novas regras europeias que regulam os preços na UE, que entraram em vigor a 15 de maio de 2019. Nos últimos doze meses os preços recuaram, mas a quebra foi “insuficiente” para aproximar Portugal da média da UE

Os dados são revelados um dia depois da Apritel, a associação que representa os operadores de telecomunicações, ter divulgado que os preços dos serviços de telecomunicações entre janeiro de 2019 e janeiro de 2021, caíram 5,52%, “enquanto na média da UE se mantiveram”, segundo dados do Eurostat.

Mas, segundo a Anacom, Portugal está em contracorrente com a média europeia. Entre o final de 2009 e janeiro de 2021, “comparando a evolução dos preços em Portugal com alguns países de dimensão semelhante, verifica-se que os preços das telecomunicações aumentaram 6,4% em Portugal e 3,9% na Hungria, enquanto na Áustria e Países Baixos diminuíram no mesmo período 2,3% e 21,7%, respetivamente”, salienta o regulador.

Em janeiro de 2021, os preços das telecomunicações em Portugal, medidos através do sub-índice do Índice de Preços do Consumidor (IPC) deslizaram, 0,1%, face ao mês anterior. “A alteração ocorrida resultou do aumento das mensalidades de algumas ofertas do serviço telefónico móvel pós-pagas e da diminuição das mensalidades de algumas ofertas de banda larga móvel através de PC/Tablet e de uma oferta quadruple-play [pacote de quatro serviços  de comunicações convergentes]”, assinala a Anacom.

Recorrendo também a dados do Eurostat, o regulador sublinha, que nos últimos doze meses, “a taxa de variação média dos preços das telecomunicações em Portugal foi de -1,9%, 1,8 pontos percentuais abaixo da registada pelo IPC (-0,1%), ocupando Portugal, o 21.º lugar no ranking das variações mais elevadas”.  Assim, Portugal é o sétimo país da UE a registar as variações mais baixas nos preços das telecomunicações.

“Os países onde ocorreram os maiores aumentos de preços foram Polónia (+4,4%), Lituânia (+2,1%) e Finlândia (+1,9%), enquanto a Irlanda (-3,3%), República Checa (-3,2%) e Dinamarca (-3,0%) apresentaram as maiores diminuições”, refere o organismo liderado por João Cadete de Matos.

O regulador esclarece que, apesar de Portugal ter registado uma diminuição de preços no último ano, a redução “é insuficiente para anular a desvantagem da situação portuguesa face à média da UE, que se prolonga há mais de uma década”.

Análise da Anacom aponta Nowo como o operador com mais serviços a preços mais baixos
A leitura da Anacom é suportada pelas conclusões da análise regulatória “Evolução dos Preços das Telecomunicações“, relativa a janeiro de 2021. No final de janeiro, entre os serviços oferecidos por Altice, NOS, Vodafone e Nowo, a Anacom indica que a Nowo era o operador que oferecia os preços mais baixos “em sete de um leque de 13 serviços/ofertas”.

A Altice, NOS e Vodafone, por sua vez, “apresentaram as mensalidades mais baixas para dois tipos de serviços/ofertas cada um”.

Em comparação com janeiro de 2020, “sobressaem as seguintes variações de preços: a mensalidade mínima do serviço telefónico móvel com internet no telemóvel diminuiu 33,3%, graças à diminuição da mensalidade da oferta da Nowo de 7,5 euros para 5 euros (com oferta da primeira mensalidade); e a mensalidade mínima da banda larga fixa individualizada aumentou 4,3%, devido ao fim da oferta da primeira mensalidade do serviço base da Nowo”.

A Altice diminuiu a mensalidade mínima em dois serviço, comparativamente com o mês homólogo do ano anterior, e aumentou a mensalidade em quatro serviços. “Um dos serviços da Meo [detida pela Altice] cuja mensalidade diminuiu significativamente foi a oferta de serviço telefónico móvel com Internet no telemóvel (oferta Uzo), que apresenta agora valores próximos da mensalidade mínima (disponibilizada pela Nowo)”, refere a Anacom.

A NOS aumentou as mensalidades mínimas de sete serviços/ofertas e a Vodafone aumentou as mensalidades mínimas de quatro serviços/ofertas.

O regulador destaca, ainda, o aumento da mensalidade da oferta triple play da Meo, NOS e Vodafone ocorrido em outubro e novembro de 2020.

No final de janeiro, a Anacom tinha divulgado que os preços nas telecomunicações em Portugal tinham subido 6,5% em 11 anos, entre final de 2009 e dezembro de 2020, enquanto na UE tinham diminuído 10,8%, o que levou a Apritel a acusar o regulador de ter uma “distorcida visão” da evolução dos preços.

Ler mais
Relacionadas

Preços das comunicações descem mais em Portugal do que na Europa, diz Apritel

O preço das comunicações desce “mais em Portugal do que na Europa”, divulgou esta quinta-feira a associação dos operadores Apritel, citando dados recentes do Eurostat, que “comprovam mais uma vez a forte dinâmica” do mercado português.

Operadores acusam Anacom de promover “visão distorcida” de preços das telecomunicações

A Apritel critica ainda o regulador por dar “um amplo destaque” à informação de que “entre o final de 2009 e outubro de 2020, os preços das telecomunicações em Portugal aumentaram 6,5%”, não “completando com a evolução do IPC no mesmo período, que foi de 11,1%, o que dá nota mais clara do índice de preços no sector”.

Preços nas telecomunicações cresceram 6,5% em Portugal mas caíram 10,8% na UE em 11 anos

No site do regulador das comunicações pode ler-se que os preços nas telecomunicações agravaram-se em onze anos, sobretudo depois da entrada em vigor das novas regras europeias que regulam os preços das comunicações dentro do espaço comunitário.

Apritel rejeita comentários da Anacom sobre preços de comunicações

Em causa está a comunicação por parte do regulador das comunicações de que os preços das telecomunicações subiram 6,5% em Portugal, enquanto decresceram 11% na UE, desde 2009.

Anacom responde à Apritel e diz que Portugal não tem “ofertas costumizadas” em telecomunicações

Discussão sobre se os preços de telecomunicações em Portugal estão acima ou abaixo da média europeia continua, com regulador e associação setorial a esgrimir argumentos, Esta terça-feira, no Parlamento, o presidente da Anacom disse faltar “ofertas customizadas” em Portugal.

“Compare o que é comparável”. Apritel contesta análise da Anacom sobre preços das telecomunicações

A Apritel apela à Anacom para que “compare o que é comparável” nos preços das telecomunicações. Apritel acusa regulador de publicar estudo “que não corresponde à realidade portuguesa”.

Apritel observa “com perplexidade” conclusões da Anacom sobre preços das telecomunicações

“É com perplexidade que vemos o regulador do setor fazer afirmações e retirar conclusões que não estão corretas e que não levam em conta os critérios bem fundamentados”, lê-se na nota.

Telecomunicações: Preços aumentaram 7,6% em dez anos, conclui Anacom

A conclusão da Anacom contraria o estudo da Associação de Operadores de Telecomunicações (Apritel), divulgado em novembro de 2019, que indicava que os preços médios dos pacotes de três serviços ou de quatro serviços convergentes (3P e 4P, respetivamente) estariam abaixo do valor médio da União Europeia.
Recomendadas

O Papel do COO na reinvenção das empresas

Dada a escala e velocidade da mudança no ano passado, muito precisa de acontecer agora em termos de integração, segurança e gestão. E o Chief Operating Officer tem um papel essencial a desempenhar aqui.

Carlos Ribas: “Não fosse esta situação dos componentes e este ano seria o melhor de sempre em vendas da Bosch em Braga”

Bosch fechou 2020 com uma quebra homóloga de 10%, para 1,6 mil milhões de euros, nas vendas em Portugal. Em entrevista ao Jornal Económico o representante do grupo alemão em Portugal, Carlos Ribas, justifica o decréscimo com o impacto da pandemia nas operações, sobretudo na divisão automóvel em Braga.

Startup inspira-se num dos maiores IPO da Europa para expandir mercado dos cacifos inteligentes

A empresa portuguesa Bloq.it prepara-se para fechar este mês uma ronda de investimento ‘seed’ de 550 mil euros, disse ao Jornal Económico o cofundador João Lopes. Mais do que guardar malas, os cacifos que se abrem com QR code são uma mais-valia para o negócio das entregas.
Comentários