André Silva destaca “derrota atrás de derrota” da tauromaquia e diz que esta faz falta à cultura portuguesa como “um acordeão a um funeral”

O líder do PAN destacou também o “salto jurídico-filosófico ao deixar de qualificar os animais como coisas”, e salientou o trabalho realizado pelo partido no aprofundamento da transparência e de combate à corrupção.

André Silva, Porta-voz e deputado do PAN à Assembleia da República | Cristina Bernardo

A tauromaquia foi um dos focos de André Silva, na abertura do Congresso do PAN, uma reunião do partido que assinala também o seu adeus à liderança do PAN. O líder partidário elencou os avanços que foram feitos relativamente à tauromaquia no país, graças à intervenção do PAN, e disse mesmo que a tauromaquia faz falta ao país como um acordeão a um funeral.

“Continuam a dizer que a tauromaquia é parte da herança cultural do nosso país. Sim, é verdade. Assim como a escravatura, a Inquisição ou a caça à baleia, legados culturais que não nos merecem qualquer saudosismo. A tauromaquia faz falta à cultura portuguesa como um acordeão a um funeral”, disse André Silva.

O líder partidário, aproveitou o facto do Congresso do PAN, se realizar em Tomar, no distrito de Santarém, província do Ribatejo, “o coração das relíquias da tauromaquia”, para salientar as derrotas atrás de derrotas que o setor tem tido nos últimos anos.

“Nos últimos seis anos a garraiada académica do Porto acabou, a de Coimbra terminou, a de Setúbal deixou de se fazer, e a de Évora já não se faz. Os bilhetes das corridas são hoje tributados com IVA a 23%, há seis anos eram só borlas fiscais. Nos últimos anos a tauromaquia perdeu vertiginosamente espectadores, a Praça de Touros de Albufeira encerrou e a Praça da Póvoa de Varzim foi demolida. E muito se deve à ação do PAN, ao vosso trabalho. O sector tauromáquico sabe que não adianta falar grosso ou fazer ameaças, que no PAN não temos medo deles, que no PAN pegamos a tauromaquia de caras”, afirmou.

“Há seis anos zombavam e sentiam-se intocáveis, hoje em dia fazem abaixo assinados, petições e espante-se, ações de activismo no Campo Pequeno em que até se algemam aos portões. Não conseguem juntar mais que 20 pessoas numa manifestação: 7 cavaleiros, 6 matadores, 3 bandarilheiros, 2 emboladores, o Chicão e o Ventura”, reforçou André Silva.

O líder do PAN salientou também o “salto jurídico-filosófico ao deixar de qualificar os animais como coisas”, sublinhando que perante a lei os animais “têm que ser tratados como seres vivos dotados de sensibilidade e objeto de proteção jurídica em virtude da sua natureza, algo que fez com que Portugal fosse colocado como um dos mais avançados em matéria de direitos dos animais e da sua proteção – pelo menos na letra”.

André Silva salienta que atualmente é proibido abater animais como forma de controlo populacional, mesmo
“contra a vontade” da direção da Associação dos Médicos Veterinários dos Municípios.

O líder do PAN abordou ainda o tema ambiente, dizendo que há seis anos “o ambiente vivia no dilema
entre ser uma nota de rodapé nos programas eleitorais ou ser um branqueador de ideologias totalitárias e ultrapassadas”, para graças ao PAN ser hoje “um campo político autónomo, é um tema incontornável de qualquer debate político minimamente sério”.

André Silva acusou o ministro do Ambiente de ausência de “políticas públicas corajosas” por parte do Ministro do Ambiente, reforçando que o PAN “não cede a interesses instalados”,

O aprofundamento da transparência e de combate à corrupção foi outro tema abordado por André Silva, referindo que foi graças à “determinação e desassombro” do PAN que hoje se debatem temas ligadas a estas áreas, e que se deve à “obstinação” do PAN existir um portal da transparência para a gestão dos fundos europeus, “haver transparência nos negócios do hidrogénio verde bem como o reforço dos meios no âmbito da prevenção e combate à corrupção e à criminalidade económico-financeira”.

André Silva afirmou que perante “um PSD apático e uma esquerda colaboracionista, foi o PAN quem pôs a nu a falta
de ética e os riscos que estavam associados ao salto directo de Centeno para o Banco de Portugal, foi o PAN quem pôs o pé na porta giratória que existia entre a banca comercial e o Conselho de Administração do Banco de Portugal – e que tanto custou ao país nos últimos anos –, conseguindo consagrar, pela primeira vez em lei, um período de nojo que impede estes saltos diretos de ética duvidosa”.

O líder do PAN reforçou que o partido não vai ficar por aqui, e que em breve, graças ao partido, será aprovada a
a regulação da atividade do lobbying, a criminalização do enriquecimento injustificado dos ex-políticos ou uma legislação de proteção dos denunciantes.

“Onde estão as vozes que diziam que só nos preocupávamos com os animais? Estão silenciadas porque a nossa obra fala mais alto”, disse André Silva.

André Silva destacou também as autárquicas de 2017 onde o PAN “alcançou excelentes resultados” e conseguiu ter representação em Assembleias Municipais de concelhos que abarcam cerca de metade da população do país; a eleição em 2019 de um eurodeputado e a eleição de um grupo parlamentar, “quadruplicando a nossa força”, e em 2020 e eleição de Pedro Neves para a Assembleia Legislativa Regional dos Açores.

André Silva referiu ainda que é um convicto defensor do princípio da limitação de mandatos, reforçando que entende que numa democracia saudável as pessoas “não devem eternizar-se nos cargos políticos”, devendo dar
oportunidade a outras pessoas.

“É principalmente em nome desse princípio que tomei a decisão que se consuma com o fim desta minha intervenção”, acrescentou.

Recomendadas

PS está na “posição ingrata” em que “todos lhe batem”, diz António Costa

Segundo o líder socialista, “a realidade” é que, “em cada um dos concelhos, a escolha é sempre uma, ou é o PS e as coligações PSD/CDS-PP ou é o PS e a CDU”.

“Maquiavel para Principiantes”. “Em vez do cartão amarelo ao Governo, podemos ter cartão vermelho ao líder da oposição”

“Mais importante do que bazucas, metralhadoras, helicópteros ou outro tipo de arsenal, há mais pessoas a acreditar numa vitória do PS do que num triunfo do PSD. Nestas eleições faz-se sentir muitas vezes o cartão amarelo ao Governo mas o que parece é que se está a preparar um cartão vermelho ao líder da oposição”, realçou Rui Calafate na edição desta semana do podcast do JE.

Bruno Horta Soares: “Moedas é um nome forte mas com esta campanha e se não fosse a IL, votaria em branco”

Consciente de que tem de ultrapassar o apelo ao voto útil, Bruno Horta Soares realçou ainda, na última edição do programa “Primeira Pessoa”, da plataforma multimédia JE TV, que já ninguém acredita que Carlos Moedas possa derrotar Fernando Medina.
Comentários