André Ventura lança coligação para as eleições europeias

Coligação junta Chega, Democracia 21, Partido Popular Monárquico e Partido Cidadania e Democracia Cristã. Pretende constituir um “bloco de direita” e eleger deputados para o Parlamento Europeu.

A Coligação Chega, encabeçada por André Ventura e que junta quatro partidos que se apresentam como um “bloco de direita”, vai ser lançada nesta quinta-feira em Lisboa. Além do Chega, a lista terá elementos do Partido Popular Monárquico (PPM), do Democracia 21 e do Partido Cidadania e Democracia Cristã.

“Independentemente da aprovação ou não do partido político Chega por parte do Tribunal Constitucional, André Ventura encabeçará a ‘Coligação Chega’ ao Parlaemento Europeu”, lê-se no anúncio da conferência de imprensa, na qual também estarão presentes Gonçalo da Câmara Pereira, presidente do PPM, Sofia Afonso Ferreira, presidente do Democracia 21, e Manuel Matias, presidente do Partido Cidadania e Democracia Cristã.

Tanto o Chega como o Democracia 21 ainda se encontram em fase de constituição enquanto partidos, mas os seus integrantes consideram que “pela primeira vez, a direita anti-sistema estará unida num novo projeto político que visa a eleição de deputados ao Parlamento Europeu”.

O professor universitário e comentador televisivo André Ventura foi o candidato do PSD à Câmara de Loures nas últimas eleições autárquicas, tendo abandonado o partido em desacordo com a liderança de Rui Rio. Anunciou a intenção de criar um novo partido, a que chamou Chega, com propostas como prisão perpétua para homicidas e violadores, a castração química para pedófilos e a introdução do crime de enriquecimento ilícito.

Relacionadas

Tribunal Constitucional invalida centenas de assinaturas entregues pelo movimento Chega

Constituição do novo partido a tempo de concorrer às eleições europeias está em risco, dispondo de apenas 10 dias para substituir as assinaturas irregulares, entre as quais se incluem nomes de menores de idade e de agentes das forças policiais.

“É um protesto a esta esquerdização do PSD”. André Ventura renuncia em Loures

André Ventura tinha “uma discordância” com as linhas políticas desenvolvidas por Rui Rio. “O país precisa da força da direita, de uma direita mais radical” e, por isso, não se identifica “com este partido”, explicou o vereador demissionário sem pelouro executivo.

Os novos partidos e movimentos que tentam singrar na política portuguesa

A caminho das três eleições agendadas para 2019, há várias novas forças políticas, aindaem formação ou já constituídas, que se perfilam como alternativas aos partidos tradicionais. Mas os obstáculos legais e burocráticos são muitos e os casos de sucesso, desde 1975, são raros. “Os portugueses preferem a abstenção ao voto de protesto”, ou desta vez será diferente?
Recomendadas

Bloco de Esquerda acusa Governo de “não mostrar vontade de negociar”

“Do ponto de vista negocial, é estranho que o Governo peça isso, porque o Governo sabe há muito tempo que estas são as nove propostas que o BE levou a negociação”, disse Pedro Filipe Soares à rádio TSF.
joacine_katar_moreira_livre

OE 2022: Joacine Katar Moreira anuncia abstenção na generalidade

Até ao momento, já anunciaram o chumbo, o PSD, CDS-PP, Chega, IL e Bloco de Esquerda, num total de 105 votos. A favor, o PS (108 votos), com as abstenções das duas deputadas únicas.

Eleições antecipadas poderiam causar “dano sério ao país”, diz ex-ministro Vieira da Silva

Em entrevista à rádio “Antena1” e ao “Jornal de Negócios”, o antigo ministro do Trabalho considera que os partidos têm de saber fazer a conciliação entre os interesses de manutenção da sua influência e afirma que a discussão sobre a legislação laboral não devia ser confundida com a do OE.
Comentários