André Ventura sobe fasquia do Chega à subida a terceira força política e eleição de deputados nos Açores

Moção estratégica “Mobilizar Portugal” defende aposta no regresso de emigrantes e no combate à “imigração ilegal descontrolada”. “Temos de manter o trabalho e a ambição em níveis absolutamente insuperáveis para os nossos adversários políticos”, lê-se no documento, a que o Jornal Económico teve acesso.

Mário Cruz/Lusa

A moção estratégica “Mobilizar Portugal”, com a qual André Ventura se apresenta à reeleição a presidente do Chega, prevê que o partido eleja deputados nas eleições regionais dos Açores, marcadas para 25 de outubro, e se torne a terceira força política nacional nas próximas legislativas, só atrás do PS e PSD. ” Temos de manter o trabalho e a ambição em níveis absolutamente insuperáveis para os nossos adversários políticos”, lê-se no documento, a que o Jornal Económico teve acesso.

Além da superação do PCP, Bloco de Esquerda e PAN – partidos identificados como podendo disputar o estatuto de terceiro partido mais votado pelos portugueses, ao contrário do CDS e da Iniciativa Liberal -, Ventura apresenta como outro grande objetivo a organização e implementação de uma “forte rede” de gabinetes de estudos no Chega. “Essa será uma fonte de quadros credíveis, sólidos e íntegros para dar resposta às responsabilidades que teremos de começar a assumir a partir dos próximos atos eleitorais”, afirma, realçando aos militantes que “não sabemos quando seremos chamados pelos portugueses a assumir responsabilidades no Governo da República”.

Identificando-se como “principal continuador” do ex-primeiro-ministro e líder social-democrata Francisco Sá Carneiro, Ventura apresenta o Chega como “o farol de que país desesperadamente precisa”, inspirado pelos “valores civilizacionais cristãos que homens como o Papa João Paulo II nos ensinaram”. E com vista à vitória nas eleições diretas marcadas para o próximo sábado, precedendo a segunda convenção nacional do partido, que decorrerá em Évora, a 19 e 20 de setembro, desfila algumas das ‘bandeiras’ do partido no “caminho de construção da IV República”, incluindo o “combate à imigração ilegal descontrolada”, ao marxismo cultural e à ideologia de género, bem como a defesa de uma “profundíssima revisão constitucional nas áreas da justiça, da economia e do sistema político”.

“É preciso mobilizar todas as nossas energias neste momento histórico: temos de salvar a indústria nacional, temos de atrair os recursos humanos mais válidos e sobretudo temos de conseguir fazer regressar ao país aqueles que, por necessidade ou em busca da realização dos seus sonhos, partiram nos últimos anos”, afirma o fundador e deputado único do Chega, referindo-se aos emigrantes como uma “enorme mais-valia portuguesa que se encontra dispersa pelo mundo e que urge fazer regressar a casa”.

Mais sombria é a perspetiva quanto à atual situação de Portugal, descrito na moção estratégica como encontrando-se “numa enorme encruzilhada” devido a um Governo minoritário “incapaz de lidar com a gigantesca crise sanitária, económica e social que se abateu sobre Portugal e sobre a Europa”, a um Presidente da República “completamente inativo e cúmplice do Governo” e a um Parlamento “vergado aos interesses do centrão partidário ou da extrema-esquerda refém do PS”. Também não são poupadas críticas a um “centro-direita e direita completamente inexistentes e um CDS a desaparecer progressivamente”.

Recomendadas

Parlamento discute hoje e vota referendo sobre a eutanásia na sexta-feira

O parlamento discute hoje e vota na sexta-feira uma proposta de referendo sobre a eutanásia, que divide direita e esquerda, mas em que há um bloco maioritário para a “chumbar”, do PS, BE, PCP, PAN e PEV.

OE2021: Federação sindical pediu alterações ao BE e ao PS

A Federação de Sindicatos da Administração Pública (FESAP) pediu hoje aos deputados do Bloco de Esquerda e do Partido Socialista que proponham alterações ao Orçamento do Estado (OE) para 2021 que respondam às reivindicações dos funcionários públicos.

Marcelo promulga diploma que reduz debates europeus na AR para dois por semestre

O Presidente da República promulgou hoje o diploma aprovado por PS e PSD que reduz os debates europeus no parlamento para dois por semestre, depois de ter vetado uma primeira versão que previa apenas um por semestre.
Comentários