Angela Merkel foi a Auschwitz e isso é importante

A visita simbólica da chanceler não só marca a sua posição como deve fazer-nos refletir sobre o ressurgimento de extremismos.

Há três dias, a Chanceler alemã Angela Merkel visitou o antigo campo de concentração de Auschwitz, situado na Polónia, relembrando a profunda vergonha que os crimes cometidos pelos alemães geraram aquando da II Guerra Mundial. A visita de Angela Merkel é histórica.

Num tempo em que a Europa se vê confrontada com um avanço de movimentos e partidos populistas, esta visita é também, e antes de mais, simbólica. Sabe-se que o anti-semitismo tem vindo a crescer em território europeu, logo importa que estas iniciativas sejam noticiadas. Pode-se especular sobre o timing em que esta visita ocorre: estamos muito próximos de eleições no Reino Unido, onde têm sido visíveis sentimentos anti-imigração entre os apoiantes do Brexit.

Mas o posicionamento dos europeus em termos ideológicos não é algo linear. Por exemplo, Caughey e colegas num artigo publicado este ano na “American Political Science Review”, intitulado “Policy Ideology in European Mass Publics, 1981-2016” assim o demonstram. Há uma clara diferença nas opiniões dos europeus de acordo com o local onde o seu país se situa.

Ou seja, nos países mais a norte e na zona mais ocidental da Europa, os cidadãos tendem a ser mais conservadores ao nível económico, ou seja, menos liberais nesta dimensão e mais progressivos no que diz respeito a aspectos sociais, culturais e de aceitação de imigrantes. Por outro lado, os países do antigo Bloco de Leste e do sul europeu tendem a ser socialmente mais conservadores e a aceitar uma maior intervenção do Estado na gestão do dia-a-dia das populações.

Regressando a Merkel e à sua visita, é certo que não sabemos quais são as suas intenções ao reforçar esta agenda mediática, pública e política, como aliás não somos detentores da mesma informação que ela – a chanceler tem, aliás, marcado muito pouco a agenda interna nas últimas semanas. Mas não deixa de ser relevante a forma como marca a sua posição.

Estamos a poucas semanas do Natal, e com toda a azáfama que este mês nos traz, marcar estes dias com algo verdadeiramente central no tempo que hoje vivemos, como o ressurgimento de extremismos historicamente assustadores, é talvez uma das melhores maneiras de celebrar um tempo que se quer de paz: a Paz que nunca se faz de silêncios.

A autora escreve de acordo com a antiga ortografia.

Recomendadas

Como se cria uma cultura de inovação?

Para que haja diversidade de pensamento, as pessoas precisam de saber que as suas opiniões não só são aceites, como também são fundamentais. Precisam de um espaço seguro.

Carros a pilhas são brincadeira cara

Atendendo-me à lógica e ao conhecimento da teoria da difusão e adoção de inovações, os carros elétricos alimentados por uma bateria que depende de uma rede de distribuição de eletricidade que não existe, não são o futuro.

Solos contaminados, um perigo à espreita

Perante este perigo silencioso debaixo dos nossos pés, não pode haver margem para desculpas ou facilitismos, nem os interesses económicos podem sobrepor-se à protecção das pessoas e dos ecossistemas.
Comentários