Angola e Zâmbia assinam memorando para a construção de pipeline multiprodutos

Quinta-feira, 29 de abril, será assinado em Luanda o memorando de entendimento sobre uma das mais importantes infraestruturas que vão ser construídas em Angola, a partir do porto de Lobito, na província de Benguela, para fazer chegar, até à Zâmbia, um pipeline multiuso para transporte de produtos energéticos e combustíveis.

Angola e a Zâmbia avançaram no acordo de construção de um pipeline multiprodutos e, depois da recente reunião de trabalho entre o embaixador zambiano em Luanda, Lawrence Chalungumana e o ministro dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás de Angola, Diamantino Azevedo, os dois países estão prontos a assinar o memorando deste projeto de infraestruturas, revelou ao Jornal Económico uma fonte oficial do Ministério dos Recursos Minerais angolano. A assinatura do memorando está agendada para quinta-feira, 29 de abril, salvaguardando eventuais alterações de agenda decorrentes dos interesses dos dois países.

Mas as perspetivas que ficaram combinadas bilateralmente é que os dois países deverão “assinar, em Luanda, a 19 de abril – na próxima segunda-feira -, um memorando para a construção do pipeline”. Segundo o embaixador Lawrence Chalungumana, esta será uma “oportunidade de inserção de Angola no mercado regional e de gerar emprego e energia”. Este projeto deverá atrair a capacidade técnica de engenharia dos empreiteiros locais e internacionais – um sector em que as empresas portuguesas têm reconhecido conhecimento nos projetos realizados em várias geografias africanas.

A reunião com o embaixador zambiano abordou questões relacionadas com interesses comuns a Angola e à Zâmbia no domínio dos recursos minerais e do petróleo, referiu a mesma fonte, esclarecendo que há três anos que a Zâmbia mostra interesse em construir um pipeline multi-produtos, a partir do Lobito, para abastecer o seu país e a região em derivados do petróleo, incluindo gasóleo, gasolina e gás”.

No “corredor” central entre Angola e Moçambique, refira-se que a Zâmbia, oficialmente conhecida como República da Zâmbia, é um país sem costa marítima da África austral. É limitada a norte pela República Democrática do Congo e pela Tanzânia, a leste pelo Malawi, a sul por Moçambique, pelo Zimbábue e pela Namíbia, e a oeste por Angola. Sua capital é Lusaka, localizada no sudeste do país. Potencialmente, um pipeline com origem em um porto angolano, dirigido para a Zâmbia, teoricamente poderia ser completado – caso haja interesse estratégico e vontade política para tal -, até Moçambique, com possibilidade, teoricamente, para ser levado até uma infraestrutura portuária moçambicana.

Recorde-se que a 24 de outubro de 1964, a Zâmbia tornou-se independente do Reino Unido e o primeiro-ministro Kenneth Kaunda tornou-se então no seu primeiro presidente. O partido de Kaunda, Partido Unido para a Independência Nacional (UNIP), manteve o poder de 1964 até 1991. Entre 1972 e 1991, o país foi um Estado de partido único, com o UNIP sendo reconhecido como o único partido político legal.

Kenneth Kaunda foi sucedido por Frederick Chiluba, do Movimento para a Democracia Multipartidária, iniciando um período de crescimento económico-social e descentralização do governo. Levy Mwanawasa, sucessor de Chiluba, presidiu a Zâmbia de 2002 até à sua morte, em agosto 2008, e é creditado pelas suas campanhas para reduzir a corrupção e aumentar o nível de vida.

Após a morte de Mwanawasa, Rupiah Banda presidiu a Zâmbia como presidente interino antes de ser eleito presidente em 2008. Rupiah Banda deixou o cargo depois de ter sido derrotado nas eleições de 2011, pelo líder da Frente Patriótica, Michael Sata, que morreu em 28 de outubro de 2014 – este foi o segundo presidente da Zâmbia a falecer no cargo. Guy Scott teve um breve mandato como presidente interino até à realização de novas eleições, em 20 de janeiro de 2015, onde Edgar Lungu foi eleito como o sexto presidente do país, desde sua independência.

A Zâmbia é membro da Organização das Nações Unidas (ONU), da União Africana (UA), da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC) e da Commonwealth.

Ler mais

Recomendadas

Praias. 10 razões pelas quais utentes e concessionárias podem sofrer coimas que vão dos 50 aos mil euros

Desde a violação da obrigação de uso de máscara no acesso à praia, até à violação das regras de cirulação ou o incumprimento do distanciamento social, são algumas das razões para as coimas. As regras para o verão português de 2021 entram em vigor a partir de amanhã, 19 de maio.

“As medidas especiais de contratação pública são um erro grave”, diz especialista na matéria (com áudio)

Ricardo Maia Magalhães, Coordenador do Curso de Especialização em Contratação Pública do ISCTE Executive Education, é o convidado do podcast “Conversas com Norte”, que poderá ouvir no site do JE e na ‘playlist’ do JE no Spotify. Nesta entrevista, aponta as várias falhas que encontrou no decreto sobre contratação pública, aprovado no parlamento e promulgado, de seguida, pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Meses de Verão vão “mitigar os prejuízos” dos sector das viagens, mas recuperação vai demorar, alertam agências de viagens

Segundo o vice-presidente da ssociação de Sócios Gerentes das Agências de Viagens e Turismo “o Algarve continuará a ser a região de eleição e os turistas britânicos vão ter muito peso no aumento do turismo no país”.
Comentários