Animais políticos

O facto de figuras conhecidas inspirarem a nomeação de novas espécies é uma tradição que remonta a tempos idos, mas não há dúvida de que os ‘donaldtrumpi’ proliferam…

O cientista Vazrick Nazari, biólogo e entomologista canadiano que trabalha nos Estados Unidos, descobriu uma nova espécie de inseto, uma traça, com duas particularidades marcantes: quando envelhece apresenta na cabeça escamas entre o esbranquiçado e o dourado, que lhe dão o ar de uma cabeleira louro-clara, e tem genitais pequenos. Vai daí, resolveu dar-lhe o nome científico de Neopalpa Donaldtrumpi, em honra (duvidosa) ao presidente americano, atentas as parecenças entre ambos e com o objetivo de levar a que o público “dê mais atenção à necessidade de proteger e preservar os habitats frágeis.”

A julgar pelos comentários nas redes sociais, a primeira parte do objetivo – chamar a atenção – foi seguramente atingida. Há quem saliente outras particularidades do inseto que vão seguramente cativar Trump. Por exemplo, diz Alan Cross que o animal (a traça, claro), que vive numa zona compreendida entre México e Califórnia, atravessa furtivamente a fronteira para exercer a sua atividade parasita nos EUA, alimentando-se e vivendo à custa dos americanos, para ao fim do dia regressar e pernoitar no México.

Se isto parece estranho, no ano passado foi nomeada outra espécie como Trump, a Dermophis donaldtrumpi – um verme de cerca de 10 cm do Panamá. O direito de escolha do nome foi atribuído por leilão, tendo o feliz contemplado pago a modesta soma de 25 mil dólares para ter esta honra. Aidan Bell, patrão da EnviroBuild, justificou a escolha do nome com o facto “do animal enterrar a cabeça na areia, como faz Trump no tocante ao Ambiente e às alterações climáticas”. Segundo ele, a minhoca tem uma terceira camada de pele, mais espessa, que serve para alimentar as crias, o que Trump também faz, ao dar trabalho à família na Casa Branca.

Trump não foi o único político contemplado com a atribuição do seu nome a toda uma espécie. Anophthalmus hitleri é um escaravelho cego que vive nas caves da Eslovénia; o nome foi dado em 1933 por um alemão admirador de Hitler, acabado de chegar ao poder na Alemanha.

Kelly Miller e Quentin Wheeler deram a quatro espécies de escaravelhos descobertas em 2005 os nomes Agathidium bushi, Agathidium cheneyi, Agathidium rumsfeldi e Agathidium vaderi, segundo Bush, Cheney, Rumsfeld e Darth Vader. Diz Wheeler que George Bush Jr. telefonou a agradecer-lhe a honra por ele, Cheney e Rumsfeld. A opinião de Darth Vader ninguém conhece.

Uma nova espécie de aranha descoberta na África do Sul foi batizada Singafrotypa mandela em honra de Nelson Mandela. Etheostoma Clinton, Etheostoma jimmycarter and Etheostoma gore são percas – a primeira vive no Arkansas, as outras no Kentucky e no Tennessee. Em 2012 um sapo raro do Equador passou a ser conhecido por Hyloscirtus princecharlesi, apesar de nem sequer ter orelhas.

Estou em crer que ainda ninguém propôs mudar-se para Helostoma marceli o nome do Helostoma Temminkii, o peixe beijador, por uma mera questão de afeto.

Recomendadas

Da estupidez natural

Há leituras obrigatórias, como a “História Natural da Estupidez” de Paul Tabori, agora reeditada em português, que trata da mais perene e catastrófica característica do ser humano.

Desígnio da portugalidade

Somos um país periférico mas possuímos múltiplas centralidades. Somos secundários na Europa mas podemos abrir novas portas à Europa.

Efeitos colaterais num produto estratégico

Trump ameaçou aumentar as taxas sobre os vinhos franceses, entre 317 outros produtos europeus, pelo que é quase inevitável que o mesmo venha a acontecer aos vinhos portugueses.
Comentários