Anthony Salcito: “Este novo formato de aprendizagem requer um novo pensamento para criar conteúdo atraente e inclusivo”

Nesta entrevista ao Jornal Económico, o Vice-presidente da Worldwide Education da Microsoft diz que não devemos pensar na escola física versus escola digital e que, embora a tecnologia faça parte da aprendizagem, o valor da conexão humana será sempre grande.

Anthony Salcito, vice-presidente da Worldwide Education da Microsoft, é esta quinta-feira, 28 de janeiro, um dos oradores do Building the Future, o mega evento do ecossistema empresarial português dedicado à transformação digital organizado pela Microsoft Portugal e pela iMatch. Numa preleção sobre o tema “From Recovery to Reimagine” (Da Recuperação à Reimaginação), o autor de “Daily Edventures” aborda o impacto da pandemia na transformação digital, o potencial das novas tecnologias emergentes, o ensino à distância como motor de mudança e a redescoberta das possibilidades para as salas de aula, isto é, como melhoramos o tempo de sala de aula, como estendemos este tempo de sala de aula em prol dos alunos.

Nesta entrevista ao Jornal Económico, o vice-presidente da Worldwide Education da Microsoft diz que estamos à beira de um novo paradigma de educação com potencial para uma aprendizagem fluida e centrado no aluno, ilimitado no tempo ou no espaço. As novas tecnologias são uma oportunidade para melhorar o desempenho, a motivação e a realização de alunos e professores, defende.

Qual o impacto da Pandemia da Covid-19 na transformação da escola?

O mundo da aprendizagem passou pelas mudanças mais significativas da história moderna. A Microsoft está a trabalhar com educadores e famílias para atender às suas necessidades que evoluem constantemente, fornecendo soluções que permitem modelos de aprendizagem contínuos e flexíveis, seja online ou presencial. Quando pensamos sobre o futuro da educação, as ferramentas digitais – além de plataformas de videoconferência – irão tornar-se críticas para garantir que a aprendizagem prossegue, independentemente do modelo, e que todos os alunos sejam capazes de participar na aprendizagem. No ano passado, educadores, alunos e pais enfrentaram novos desafios, e o ensino online evoluiu para uma abordagem mais flexível envolvendo sessões gravadas e ao vivo, aulas em casa e uma aprendizagem mais personalizada. Este novo formato de aprendizagem requer um novo pensamento para criar conteúdo atraente, envolvente e inclusivo para garantir o forte envolvimento do aluno, manter salas de aula digitais seguras e um “hub” central para aprendizagem remota e híbrida.

No futuro, o professor pode ser substituído pela tecnologia?

Os professores fizeram muito este ano – desde a reinvenção das aulas de história até a descoberta de novas formas de fortalecer as conexões emocionais dentro das salas de aula. O valor que os professores têm é aprimorado pela tecnologia… conforme expandimos os limites da sala de aula e ampliamos a sua capacidade para se conectarem, inspirarem e apoiarem os alunos. Quando a Covid-19 mandou os alunos para casa… os professores aceitaram o desafio da aprendizagem @distância. A tecnologia não diminuiu o seu valor ou necessidade… e tenho esperança de que o mundo tenha visto o papel incrivelmente importante que os professores têm e continuarão a desempenhar também como combustível para as gerações futuras.

A Escola digital ganhará o embate com a escola presencial? Quais as possibilidades de isso acontecer e os seus perigos?

A nossa missão na Microsoft é capacitar cada pessoa e cada organização no planeta para alcançar mais e, para nós, isso começa na sala de aula – seja pessoalmente, virtual ou uma combinação de ambos. Cada aluno tem necessidades únicas e os educadores trabalham bastante para dar o suporte que irá promover a paixão pela aprendizagem e a conexão para cada aluno. É aqui que acreditamos que a tecnologia pode ser transformadora – dando aos educadores e alunos ferramentas que os capacitam; tecnologia que é inclusiva para todos os tipos de alunos. Não devemos pensar sobre o físico versus o digital, mas, em vez disso, garantir que estamos a ser objetivos em todos os compromissos e reconhecer que, embora a tecnologia faça parte da aprendizagem, o valor da conexão humana será sempre grande.

Que contributo estão a trazer as novas tecnologias ao desempenho, motivação e realização de alunos e professores?

Estamos à beira de um novo paradigma de educação com potencial para uma aprendizagem fluida e centrado no aluno, ilimitado no tempo ou no espaço. À medida que as escolas aproveitam a capacidade da tecnologia de estender a sala de aula, sua capacidade de alcançar os alunos de novas maneiras é bastante aprimorada. Os líderes da escola podem dar aos alunos liberdade e flexibilidade para explorar uma jornada de aprendizagem pessoal que se alinhe à sua paixão e reconheça as suas necessidades e talentos únicos. A tecnologia está a criar uma base para a descoberta, expressão e conexão.

Ler mais
Recomendadas

Regresso à normalidade no ensino superior ainda não será este ano

As instituições de ensino superior não antecipam a retoma integral do ensino presencial até ao final do ano letivo, mas esperam que o plano de desconfinamento lhes permita voltar ao ensino misto rapidamente para recuperar aulas práticas.

Professores e diretores de escolas pedem para ser consultados na elaboração do plano de desconfinamento

Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas e Federação Nacional de Professores defendem que o Governo devia adotar medidas como testagem em massa nas escolas, bem como a da priorização dos professores quanto à vacinação.

“Sentimos que a indústria reconhece o valor da Universidade enquanto parceira”

Virgílio Cruz Machado destaca a importância de produzir ciência em parceria com o tecido industrial para que Portugal possa vir a posicionar-se melhor nos mercados internacionais. A Faculdade que dirige vai adotar a designação Nova School of Science and Technology para impulsionar a internacionalização.
Comentários