Antigo CEO da Wirecard pagou caução de cinco milhões de euros para sair da prisão

O antigo presidente executivo da Wirecard, Markus Braun, pagou cinco milhões de euros para voltar à liberdade, depois de se ter entregado à polícia de Munique, na Alemanha, na segunda-feira, tendo sido posteriormente detido por suspeita de crimes de fraude.

Markus Braun, antigo CEO da Wirecard, pagou esta tarde a fiança que tinha sido imposta por um juiz daquela cidade alemã, no valor de cinco milhões de euros, segundo o “Financial Times”

O antigo CEO da Wirecard entregou-se às autoridades na segunda-feira policiais depois de ter sido emitido um mandato de captura. O antigo CEO da fintech alemã é suspeito por ter cometido crimes de fraude, nos quais terá inflacionado as contas da empresa em 1,9 mil milhões de euros para atrair investidores e clientes.

O ‘buraco’ nas contas foi descoberto na semana passada depois de uma auditoria, tendo Markus Braun apresentado a demissão na sexta-feira. Mas as autoridades policiais suspeitam que o antigo dirigente não terá atuado sozinho, tendo cometido os crimes com o apoio da anterior equipa de gestão que, de acordo com o “Financial Times”, também está a ser investigada.

Ontem, a Wirecard disse que provavelmente o dinheiro não existe e que não representava de forma fidedigna a maior fonte de lucros da empresa.

O regulador alemão, o BaFin, disse que o escândalo era um “desastre completo” e uma “vergonha” para Alemanha.

Relacionadas

Antigo CEO da Wirecard foi detido

Depois de ter sido emitido um mandato contra Markus Braun, o antigo presidente executivo da Wirecard entregou-se à polícia, em Munique. As autoridades suspeitam que atuado em conjunto com a antiga equipa de gestão para ‘engordar’ o balancete da fintech alemã em 1,9 mil milhões de euros.
Recomendadas

Caixa Geral de Depósitos aumenta lucros para 294 milhões de euros

No primeiro semestre, o resultado líquido consolidado da CGD atingiu 294 milhões de euros (249 milhões no período homólogo). O banco revela ainda a “continuação do reforço de imparidades de crédito em 90,2 milhões de euros em base preventiva dos potenciais efeitos da crise pandémica”.

Mais de metade das empresas com quebras no volume de negócios em 2020

Três quartos das empresas do alojamento e restauração registaram perdas no volume de negócios, enquanto mais de metade das empresas nos sectores dos transportes, serviços gerais, grossistas, retalho e indústrias apresentaram quebras.

Comissão de Trabalhadores da Meo apresentou proposta para travar despedimento coletivo mas administração recusou

A entidade “entende que este despedimento coletivo é injustificável, impróprio, imoral e ilegal”. 
Comentários