António Costa: “Cada vez mais é necessário reforçar a segurança e o controlo na circulação”

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu esta sexta-feira a criação da “máxima liberdade possível” para uma “circulação fluida” entre fronteiras, nomeadamente facilitando o processo de autenticação de passageiros, sem que isso signifique “diminuir o papel do SEF”.

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu hoje a criação da “máxima liberdade possível” para uma “circulação fluida” entre fronteiras, nomeadamente facilitando o processo de autenticação de passageiros, sem que isso signifique “diminuir o papel do SEF”.

“Hoje a questão das fronteiras é absolutamente crucial porque cada vez mais é necessário reforçar a segurança e o controlo na circulação, mas simultaneamente criar o menor entrave possível a máxima liberdade possível para que essa circulação se faça de forma fluida”, disse o chefe de Governo.

Falando aos jornalistas numa visita à empresa Vision Box, em Carnaxide, concelho de Oeiras, companhia que criou uma solução tecnológica para desmaterializar documentos e facilitar o processo de autenticação de passageiros nos aeroportos, António Costa afirmou que o projeto “não significa diminuir o papel do SEF [Serviço de Estrangeiros e Fronteiras]”.

Significa, antes, “permitir que os recursos humanos do SEF se possam concentrar não a fazer aquilo que uma máquina pode fazer por eles com maior precisão, porque vê melhor do que o olho humano, […] e mais facilmente pode detetar falsificações”, mas em “fazer aquilo que nenhuma máquina pode fazer, que é a atividade de investigação criminal, em particular naquela área de especialização do SEF, de combate ao tráfico de seres humanos”, elencou.

“Isto permite que o Estado gira melhor os seus recursos, servindo, simultaneamente, melhor os seus cidadãos, todos aqueles que nos visitam, e podendo contribuir para que a indústria nacional se possa ir robustecendo”, vincou o primeiro-ministro.

Na quarta-feira, foi publicado em Diário da República um despacho que dava conta da aprovação de um contrato de investimento entre a Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP), em representação do Estado, com a Vision Box, para a concessão de incentivos fiscais a um projeto tecnológico.

Em causa está o “Smarty Flow”, que visa a desmaterialização de documentos para agilizar o processo de autenticação de passageiros em aeroportos e portos, bem como noutros serviços turísticos, isentando estas situações de documentação física através da criação de uma identidade digital que inclui dados como marcas biométricas e documentos como o passaporte e o cartão de cidadão.

“Com o grande crescimento dos movimentos turísticos em todo o mundo – de que Portugal tem sido um feliz beneficiário – a pressão sobre as fronteiras e sobre os serviços do SEF é cada vez mais crescente”, reconheceu o primeiro-ministro, considerando que esta solução responde a essa questão, possibilitando ainda a “modernização” das fronteiras portuguesas.

Lembrando que foi a Vision Box a responsável pelo projeto do passaporte eletrónico português, António Costa falou num “casamento feliz”, que mostra como “a parceria entre o Estado e o setor privado é absolutamente essencial” em áreas como a tecnologia.

Presente na ocasião, o presidente do Conselho de Administração da Vision Box, Bento Correia, ressalvou que Portugal foi “dos primeiros países do mundo” a ter o passaporte eletrónico, e que a empresa pretende continuar a inovar, tanto no país como no exterior, já que mais de 95% da sua atividade é no estrangeiro.

Sobre o projeto “Smarty Flow”, Bento Correia realçou o “impacto interno significativo”, aludindo à criação de 219 postos de trabalho num investimento de 9,6 milhões de euros, três milhões dos quais suportados por fundos comunitários.

O projeto deverá arrancar, em fase piloto, no final deste ano, para autenticação de passageiros no aeroporto de Lisboa.

Ler mais

Relacionadas

Tempos de espera no aeroporto de Lisboa voltam a ultrapassar as duas horas

Há cerca de um ano que o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) anunciou um reforço de inspetores neste aeroporto, mas a solução continua a ser insuficiente para dar resposta ao volume de passageiros que passam pelo controlo de passaportes. O SEF indica que “os picos referidos são situações pontuais”.

Tráfico de seres humanos em Portugal escapa ao controlo das autoridades

Os inspetores do Serviços de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) indicam que o tráfico de seres humanos é superior ao que consta nos dados oficiais e pedem mais meios para poder fiscalizar o problema.
Recomendadas
antónio_costa_silva_partex_5

Costa Silva não vai ser remunerado para coordenar programa de recuperação do Governo

O gestor já foi oficialmente nomeado para preparar o Programa de Recuperação Económica e Social 2020-2030.

Bruxelas lança segunda fase da consulta aos parceiros sociais sobre “salário mínimo justo”

O objetivo é avançar depois de setembro para as negociações entre os parceiros sociais para a “celebração de um acordo” nos termos previstos nos Tratados ou a apresentação de uma proposta pelo executivo comunitário. Entre os objetivos está a eliminação ou limitação das variações e isenções ao salário mínimo.

Atrasos no pagamento de pensões continuam a penalizar IRS de reformados, diz Provedora

Continuam a aumentar as queixas de atraso em pagamentos de abonos ou pensões que acabam por levar os contribuintes a pagar mais IRS com a subida de escalão derivada do englobamento de rendimentos no ano em que recebem as prestações em atraso. De 2018 para 2019, as queixas de atraso do Centro Nacional de Pensões (CNP) quase duplicaram aumentaram de 923 para 1.721.
Comentários