António Costa defende rejeição da proposta finlandesa para orçamento da UE

O primeiro-ministro, António Costa, defende, em declaração à Lusa, a rejeição da proposta da presidência finlandesa para o Quadro Financeiro Plurianual (QFP) 2021-27, considerando que se trata de um “erro grave”.

António Costa | Twitter

“A proposta da Presidência finlandesa para o QFP 2021-27 é um erro grave. Em vez de procurar uma aproximação entre a proposta da Comissão (1,11% RNB) e do Parlamento Europeu (1,3% RNB), em vez de se aproximar da posição da maioria dos Estados-membros é uma proposta de confronto com a maioria no Conselho e de conflito institucional com o Parlamento Europeu”, defende António Costa.

“Em suma, tudo o que a UE não precisava. Deve, por isso, ser claramente rejeitada”, sustenta o chefe do Governo português.

A UE começou a negociar o seu orçamento para o período 2021-27 tendo como base uma proposta da presidência finlandesa – que preside neste semestre aos 28 – e que prevê despesas no valor global de 1,087 biliões de euros, 48.000 milhões abaixo do plano inicial da Comissão Europeia.

 

Relacionadas

António Costa escolhe Carlos Lopes Pires para diretor do Serviço de Informações Estratégicas de Defesa

primeiro-ministro escolheu o diplomata Carlos Lopes Pires como diretor do Serviço de Informações Estratégica e de Defesa, a secreta para as ameaças externas, solicitando a sua audição pelo parlamento, disse esta segunda-feira à Lusa fonte oficial.

COP25: António Costa alerta para escassez de tempo e necessidade de agir

O primeiro-ministro, António Costa, alertou hoje em Madrid os cerca de 50 líderes mundiais presentes na sessão da abertura da cimeira sobre as alterações climáticas que o tempo é “curto”, havendo o “dever imperioso de agir”.
Recomendadas

Iniciativa Liberal vai votar contra OE 2020 considerando-o “Estado a mais e ambição a menos”

A Iniciativa Liberal, garante o seu líder e deputado, “estará muito atenta a todas as tentativas, explícitas ou encapotadas, de aumentar a carga fiscal direta ou indireta neste orçamento”.

Governo avalia criação de incentivos para fixar professores nas escolas

De acordo com o Ministério da Educação, tutelado por Tiago Brandão Rodrigues, estes incentivos estão a ser estudados em articulação com outros ministérios e autarquias.

António Costa garante que não existe “qualquer divergência” com Mário Centeno

Na rede social Twitter, Costa frisou ainda que o Governo está “mobilizado ativamente” em torno da criação do primeiro orçamento da história da União Europeia para a zona euro.
Comentários