António Costa diz que conversações com Bloco de Esquerda serão avaliadas na próxima semana

Primeiro-ministro indigitado diz confiar na “vontade de estabilidade política” dos antigos parceiros e aponta 21 ou 22 de outubro como data de constituição do próximo Governo.

O primeiro-ministro indigitado António Costa disse nesta quarta-feira, após uma reunião com o Bloco de Esquerda, no final de uma ronda de contactos que durou todo o dia, que irão decorrer nos próximos dias reuniões de trabalho entre socialistas e bloquistas para “ver as condições de convergência” entre os dois partidos que detêm juntos mais de metade dos deputados da nova legislatura. “Para a próxima semana faremos uma avaliação dos trabalhos mais técnicos”, explicou, colocando o horizonte da constituição do Governo para 21 ou 22 de outubro, quando o apuramento dos votos dos emigrantes permitir que a Assembleia da República inicie os trabalhos da XIV Legislatura.

“O essencial é que existe vontade de trabalhar em conjunto e dar continuidade à experiência da legislatura anterior”, disse António Costa, à saída do encontro, garantindo que foram identificados os temas que serão avaliados nas próximas reuniões de trabalho.

De qualquer forma, o primeiro-ministro indigitado realçou não ser essencial chegar a um acordo escrito semelhante ao que permitiu a “geringonça”, referindo-se a “pontos de total convergência” e “pontos de total divergência” nos contactos com o Bloco de Esquerda.

Revelando abertura a acordos pontuais, na medida em que disse ser “agnóstico em matéria de forma de entendimento”, António Costa preferiu sublinhar a “vontade de estabilidade política” que encontrou entre os parceiros dos últimos quatro anos.

 

Bloco apresentou proposta para programa de Governo

Catarina Martins, coordenadora nacional do Bloco de Esquerda, disse à saída da reunião com o PS que apresentou uma proposta com o objetivo de que “a mesma fique plasmada num programa de Governo”, tal como sucedeu com os acordos de 2015.

No entanto, a líder do terceiro partido mais votado nas últimas legislativas, abordou o cenário em que estas propostas não sejam aceites e clarificou que caso não exista entendimento, existe disponibilidade para discutir medidas de cada Orçamento de Estado.

Catarina Martins considerou à saída deste encontro que a solução inicial garante mais estabilidade e que a mesma visa a recuperação de salários e direitos.

Ler mais
Recomendadas

Eleições Guiné-Bissau: CNE confirma vitória de Embaló

A CNE rejeitou as reclamações apresentadas pelo representante da candidatura de Domingos Simões Pereira.

Brexit: Barnier pronto a começar negociações mas alerta que “não as concluirá a qualquer preço”

O negociador-chefe da União Europeia espera um bom arranque das negociações, até porque, sublinhou, “há muito pouco tempo pela frente”, dado um acordo abrangente ter de ficar ‘fechado’ até ao final do ano, altura em que termina o chamado período de transição do ‘Brexit’.

Bruxelas pede a Portugal e mais 21 países para acabar com captura acidental de golfinhos

O comissário Europeu Virginijus Sinkevičius afirmou que, em toda a UE, “os níveis de capturas acidentais são inaceitáveis”, podendo levar à “extinção de populações locais de espécies protegidas”.
Comentários