António Costa: “Governo de coligação com o Bloco ou o PCP não seria um bom Governo”

Em entrevista na SIC, secretário-geral do PS admite entendimentos pontuais com o PSD sobre reformas estruturais.

O primeiro-ministro António Costa admitiu esta quarta-feira que poderá haver acordos pontuais com o PSD em matérias estruturais para o país, caso não obtenha maioria absoluta, mas rejeitou de forma liminar a formação de um governo de Bloco Central – uma posição que já havia assumido no passado.

Em entrevista à SIC, o secretário-geral do PS lembrou que o pacote legislativo da descentralização e a  renegociação de fundos europeus junto da Comissão Europeia, que ocorreram na atual legislatura, já implicaram acordo entre os dois partidos.

“Soluções de Governo com o PSD seriam contranatura, más soluções”, mas “haver acordos com PSD, ou com qualquer outro partido, em matérias estruturais para o país, não só é possível como é desejável”, referiu o primeiro-ministro.

António Costa afastou também um cenário com o Bloco de Esquerda ou o PCP  no Governo, dadas as diferenças entre os partidos. “Não seria um bom Governo, se fizessemos um governo de coligação com o Bloco de Esquerda ou com o PCP ou o PEV, por causa do grau de compromisso exigido. Um Governo tem de ser uma entidade coesa”, justificou.

Segundo o primeiro-ministro, “muito do que foi feito esta legislatura não teria sido possível fazer se houvesse Governo de coligação” porque nem BE, nem PCP nem PEV poderiam adotar essas opções se fizessem parte do Executivo.

“Compreendemos que tínhamos base para um entendimento parlamentar, mas que não tínhamos para mais”, afirmou, repetindo uma frase que já havia dito noutra ocasião: “Não vale a pena estragar uma boa amizade com um mau casamento”.

Questionado sobre as cativações do ministro das Finanças e constrangimentos em serviços públicos, o governante admitiu que “Portugal não é um país cor de rosa, é um país que tem problemas”, mas garantiu que o Governo conseguiu melhorias em serviços como o transporte rodoviário ou o Serviço Nacional de Saúde, que “está a produzir mais”, com mais consultas e profissionais. “Temos de prosseguir este caminho e não voltar para trás”.

 

 

Ler mais
Relacionadas

António Costa afasta possibilidade de nacionalizar EDP e Galp

“O programa do Partido Socialista não é o programa do Bloco de Esquerda. Recomendo a leitura, é um programa próprio”, disse o secretário-geral do PS.

Rui Rio afasta Bloco Central que “só faz sentido numa situação extremamente grave para Portugal”

Líder social-democrata admitiu que seja preciso descer menos impostos e limitar aumento do investimento público se o crescimento económico abrandar. Negando que o cenário macroeconómico em que se baseia o programa de governo do PSD, disse que “temos lá economistas, bons, mas não são bruxos”.
Recomendadas

Rui Rio: “O Governo que vier terá de ser de salvação nacional”

Líder social-democrata disse, em entrevista à RTP1, que ainda não é altura de pensar num eventual acordo para governar Portugal em tempos de crise económica. E advertiu que “não passa cheques em branco” a António Costa.

Marques Mendes: “Estado de Emergência deverá ser renovado, pelo menos, duas vezes”

Como o pico da Covid-19 se deverá dar mais tarde, em maio, Luís Marques Mendes acredita que o Estado de Emergência, que deverá ser renovado já esta semana, poderá vigorar com sucessivas prorrogações até ao início de maio. Dinheiro para as empresas que aderem ao ‘lay-off’ será transferido no dia 28 de cada mês.

Covid-19: Chega propõe centros de apoio e contenção de doentes e linha gratuita para lares de idosos e casas de saúde

Projeto de resolução defende criação de espaços nos municípios mais populosos e mais afetados pela pandemia onde fiquem confinados aqueles que, precisando de cuidados médicos, dispensem o internamento em cuidados intensivos.
Comentários