António Costa recusa ideia de PS como “partido ‘pop up’”

O secretário-geral do PS, António Costa, defendeu esta terça-feira o património de quase 50 anos dos socialistas, recordou o líder histórico Mário Soares e recusou a ideia de um partido “pop up” ou de modas.

Na apresentação, em Lisboa, do Fórum Mário Soares, que vai ajudar a fazer uma história do PS e refletir sobre as políticas públicas nos próximos anos, António Costa falou do passado e das “marcas” do partido na democracia portuguesa.

“Voltar às raízes é perceber que um partido político como o PS não é propriamente uma ‘pop up store’, que abre e fecha consoante as modas, mas pelo contrário é um património construído ao longo de quase 50 anos e em que se foi sedimentando uma cultura e portador de valores que são intemporais”, disse.

Há “valores intemporais” como a “liberdade e igualdade” que nunca se devem considerar como “garantidos” e pelo quais é “necessário lutar”, de uma forma diferente de há “20 ou 30 anos”, como diferente vai ser “dentro de 20 ou 30 anos”.

Para o líder socialista e primeiro-ministro, a crise pandémica da covid-19 veio mostrar a importância das ideologias, da esquerda e da direita.

As “marcas do Estado social”, afirmou, “demonstraram toda a sua atualidade e vitalidade” e deu vários exemplos.

“Sem o SNS [Serviço Nacional de Saúde] seguramente o país não teria sido capaz de responder como respondeu” aos problemas de saúde e sem uma “segurança social forte e sustentada” não possível “responder às necessidades de proteção das famílias”.

Na cerimónia de apresentação do Fórum, estiveram quatro fundadores do PS, com Mário Soares, em 1973 – José Neves, Nuno Godinho de Matos, Rudolfo Crespo e Arons de Carvalho – além dos dois filhos do líder histórico e fundador, Isabel e João Soares.

Segundo o PS, o Fórum Mário Soares terá como objetivo “promover a reflexão sobre a relevância e o impacto das políticas públicas no país, sendo aberta à participação de cidadãos independentes e alicerçada no diálogo com instituições académicas e sociais e com fóruns cívicos”.

Durante a sessão, a Fundação Mário Soares assinou com a Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa um protocolo de colaboração sobre a “História, memória e património do PS”.

Foi assinado um outro protocolo com o centro de estudos sobre mudança socioeconómica e o território do ISCTE, tendo em vista uma colaboração ao nível do “Inventário crítico das marcas de política local do PS”.

Ler mais
Recomendadas

Revisão do Orçamento dos Açores aprovada na Assembleia Regional

Na apresentação da revisão do orçamento, o vice-presidente do Governo Regional avançou que a proposta prevê um aumento de 210,4 milhões de euros da despesa orçamental e uma redução de 74,6 milhões da receita.

António Costa e Giuseppe Conte avisam que degradação das previsões económicas impõem acordo europeu já

Os primeiros-ministros de Portugal e de Itália alegaram esta terça-feira que o agravamento das previsões negativas da economia feitas pela Comissão Europeia impõe um acordo entre os 27 Estados-membros já na próxima reunião do Conselho Europeu.

“Para uns milhões, para outros tostões”: PAN e PEV apresentam propostas para acabar financiamento às touradas

O PAN lembrou que “para estes casos, PS e PSD invocam a lei travão e a necessidade de estabilidade orçamental, deixando para trás medidas da mais elementar justiça económica e social. Para a tauromaquia há sempre dinheiro e nunca ouvimos falar da lei travão.
Comentários