António Costa saúda otimismo do CFP mas mantém previsões do governo

O primeiro-ministro saudou o otimismo do Conselho de Finanças Públicas (CFP) e do governador do Banco de Portugal, mas assegurou que o Governo mantém as previsões do plano de estabilidade.

O primeiro-ministro, António Costa, saudou hoje o otimismo do Conselho de Finanças Públicas (CFP) e do governador do Banco de Portugal, mas assegurou que o Governo mantém as previsões do plano de estabilidade.

“Bom, eu sabia que havia de haver um dia em que o Conselho de Finanças Públicas havia de ser mais otimista que o Governo”, disse o primeiro-ministro à imprensa após um encontro em Lisboa com o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel.

António Costa respondia a uma pergunta sobre as previsões hoje avançadas pelo CFP – que apontam para que já este ano Portugal deixe de ter défice para atingir um excedente orçamental de 0,1% e para um crescimento de 1,9% do Produto Interno Bruto (PIB).

“Esperemos que [esse] otimismo […] se possa confirmar. Para já, mantemos as nossas previsões, que, como sempre, são conservadoras, […] de alcançar um défice de 0,2 e as metas de crescimento que tínhamos fixado no plano de estabilidade”, afirmou.

O primeiro-ministro foi ainda questionado sobre o processo de formação de governo, na sequência das eleições de domingo e dos contactos que manteve nos últimos dias, tendo respondido que considera ter todas as condições para iniciar funções à frente de um executivo para quatro anos.

“A avaliação que faço dos contactos que mantive […] é que o Governo tem todas as condições para iniciar funções, apresentar o seu programa na Assembleia da República e poder governar com horizonte de estabilidade ao longo da legislatura”, disse.

Ler mais
Relacionadas

António Costa diz que conversações com Bloco de Esquerda serão avaliadas na próxima semana

Primeiro-ministro indigitado diz confiar na “vontade de estabilidade política” dos antigos parceiros e aponta 21 ou 22 de outubro como data de constituição do próximo Governo.

“O PCP tem o seu próprio programa”. Jerónimo de Sousa rejeita acordo escrito com o PS

“Há quatro anos foi exigido um acordo escrito por parte do Presidente da República”. Jerónimo de Sousa realçou que o quadro não é esse e que não há nenhum obstáculo à formação de um governo socialista.
Recomendadas

10 de Junho celebrado nos Jerónimos com discursos de Tolentino Mendonça e do Presidente

O Dia de Portugal vai ser assinalado com uma “cerimónia simbólica” no Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, às 11:00 de 10 de Junho, com discursos do presidente das comemorações, cardeal Tolentino Mendonça, e do chefe de Estado.

PSD não se opõe a que Governo “encomende o trabalho a quem quer que seja”, mas defende que “interlocutores têm de ser ministros”

O presidente do PSD não rejeita a hipótese de António Costa Silva poder estar presente nas reuniões que o Governo terá com os partidos e parceiros sociais para discutir o plano de recuperação da economia, mas sublinha que o gestor da Partex não pode ser “o interlocutor para os partidos da oposição e para a Assembleia da República”.

BE quer que Fisco deixe de cobrar portagens e dívidas das concessionárias de autoestradas

A medida visa acabar com a utilização de recursos públicos para a cobrança de dívidas de entidades privadas, com o BE a defender que o Fisco se tornou nos últimos anos uma espécie de “‘cobrador do fraque’ das concessionárias de autoestradas”.
Comentários