António Horta-Osório dá apoio público ao CEO do Credit Suisse

Numa publicação suíça, a “SonntagsBlick”, citada pela Reuters, ‘chairman’ e CEO aparecem lado a lado a defender a nova estratégia do Crédito Suisse virada para um maior controlo de risco.

O chairman do Credit Suisse disse à publicação suíça “SonntagsBlick”, citada pela Reuters, que o presidente-executivo Thomas Gottstein é a pessoa certa para realinhar estrategicamente o banco, reduzindo o apetite pelo risco.

Num entrevista publicada no domingo, António Horta-Osório, quando questionado sobre se tencionava substituir Gottstein como CEO ou assumir pessoalmente a liderança operacional do banco, rejeitou tal hipótese.

“Só posso dizer com total certeza que Thomas Gottstein tem toda a confiança do conselho de administração”, disse o chairman do Crédit Suisse.

“Na difícil fase pela qual o banco passou recentemente, o CEO demonstrou de forma impressionante as suas competências de liderança. Portanto é o homem certo para o realinhamento estratégico do banco”, disse Horta-Osório que assumiu a presidência em abril.

“[A discussão da estratégia] não terminou, então não podemos falar sobre isso publicamente ainda”, disse o presidente do conselho de administração do banco que tem um grande vocação de gestão de fortunas.

Também presente na entrevista, Thomas Gottstein revelou que é extremamente importante o presidente do conselho de administração e o CEO trabalharem juntos de forma próxima e harmoniosa na atual fase crítica.

O Credit Suisse está a tentar reconstruir a sua reputação depois de sofrer enormes perdas este ano com os fundos da Greensill que o banco suíço comercializava e com o colapso do fundo de investimento Archegos.

Recomendadas

Goldman Sachs tem mil milhões para investir na logística em Espanha e Portugal

O investimento surge com o objetivo de fortalecer a marca Newdock, criada este ano. Banco norte-americano tem mil milhões de euros para investir no sector logístico na Península Ibérica.
Miguel Maya

BCP e FEI assinam acordo para reforçar apoio às PME em 1,65 mil milhões

O FEI dará ao Millennium bcp uma garantia de até 1,155 mil milhões de euros, com o objetivo de canalizar mais 1,650 mil milhões de euros para a economia. Isto é, do financiamento às PME feito pelo BCP, 70% será garantido por este fundo do BEI. É o maior acordo assinado até hoje com um banco comercial.

Sindicato dos Quadros convida os 145 trabalhadores do Santander a impugnarem o despedimento coletivo

“O Banco Santander começou ontem a notificar os trabalhadores que vão ser abrangidos pelo despedimento coletivo. Segundo foi divulgado na comunicação social o despedimento coletivo abrangerá 145 trabalhadores”, lembra o sindicato liderado por Paulo Gonçalves Marcos.
Comentários