António Horta Osório vai ser Chairman do Credit Suisse

Horta Osório será eleito Presidente do Conselho de Administração do Credit Suisse em maio. O banco está presente em Portugal. A nomeação será rápida, já que sendo um banco suíço não precisa de passar pela morosa avaliação do BCE.

António Horta Osório vai ser o próximo Chairman do Credit Suisse.

O banqueiro português com carreira internacional já tem um novo cargo assegurado no banco com sede em Zurique.

A nomeação como Chairman (Presidente não executivo) do Credit Suisse surge na sequência do anúncio feito em junho, de saída do Lloyds Banking Group onde, como CEO, pôs o banco, que foi nacionalizado parcialmente na sequência de ter sido vítima da crise do subprime, a regressar à esfera privada.

Tendo a transição assegurada, Horta Osório ruma ao banco sediado em Zurique em maio do próximo ano.

Após 28 anos a desempenhar funções executivas como CEO, primeiro no Santander e depois no Lloyds, Horta Osório será, a partir de maio, Chairman do Credit Suisse onde terá funções não executivas, em full time.

A partir de 1 de maio, e após ser eleito na Assembleia Geral do banco a 30 de abril de 2021, assume a liderança do Conselho de Administração do Credit Suisse, sendo o primeiro não suíço a ocupar essa posição. O Credit Suisse está presente em mais de 50 países em todo o mundo, incluindo Portugal.

O Conselho de Administração do Credit Suisse é responsável pela direção geral, supervisão e controle do Credit Suisse Group AG.

Os membros do CA e o seu Presidente estão sujeitos a eleição individual pela Assembleia Geral e são nomeados em cada caso para um mandato de um ano. “A reeleição é possível e desejada para fomentar o desenvolvimento de conhecimentos específicos do negócio e permitir ao CA desafiar de forma adequada a gestão”, refere o comunicado do banqueiro português que em Portugal liderou o Banco Santander Portugal quando o Banco espanhol comprou o então Banco Totta & Açores e o Crédito Predial Português a António Champalimaud.

Sendo um banco suíço não tem de passar pelos morosos processos de Fit & Proper do Banco Central Europeu.

A saída efetiva do Lloyds acontece depois de completar o terceiro plano estratégico desenhado para o maior banco de retalho britânico para o período 2018-2020, cujo anúncio dos resultados ao mercado coincidirá com o completar de um período de 10 anos à frente do banco.

Horta Osório assumiu o leme do Lloyds em março  de 2011, a convite do Governo Inglês e do ministro das Finanças George Osborne, para liderar o turnaround do Banco na sequência da aquisição pelo Lloyds do HBOS, e que acarretou a entrada do Estado no capital do Banco com 39% do capital. Em 2017, regressou à esfera privada, com lucro para o Estado britânico.

Atualmente o Lloyds já é o maior banco digital do Reino Unido com mais de 16 milhões de clientes digitais e o único com uma plataforma integrada de produtos financeiros incluindo produtos bancários e de seguros, e tem a maior base acionista do país com mais de 2,4 milhões de acionistas.

Ao longo dos próximos 5 meses, António Horta Osório vai concluir no Lloyds a implementação do plano estratégico apresentado em 2018, “continuar a liderar a resposta do banco aos enormes desafios colocados pelas consequências económicas da pandemia e assegurar a transição da liderança para o seu sucessor de uma forma tranquila e organizada”, refere em comunicado.

Com responsabilidade pela direção geral, supervisão e controle do Credit Suisse, o órgão que vai ser liderado por Horta Osório avalia regularmente a posição competitiva do Grupo e aprova os seus planos estratégicos e financeiros.

Em termos de Gestão de Risco, o Conselho de Administração revê e avalia, em particular, a adequação da gestão de riscos de estratégia.

O CA recebe em reuniões regulares um relatório de status sobre os resultados financeiros do Grupo, além de pacotes de informações de gestão, que fornecem detalhes sobre o desempenho e a situação financeira do Grupo, bem como relatórios de risco.

O CA é também responsável por nomear ou demitir o CEO e os membros do Executive Board, revê e aprova mudanças significativas na estrutura e organização do Grupo e está ativamente envolvido em aquisições e alienações estrategicamente importantes, planos e projetos de investimento estrategicamente relevantes.

Em comunicado, António Horta Osório, diz-se “muito satisfeito por ser proposto para Presidente do Conselho de Administração do Grupo Credit Suisse” e “e muito motivado para continuar a desenvolver os muitos pontos fortes do grupo, em estreita colaboração com o Conselho de Administração e a equipa de gestão. Este é um momento de grandes oportunidades para o Grupo Credit Suisse, para os seus colaboradores, clientes e acionistas”.

Já Urs Rohner, atual Chairman do Credit Suisse Group, diz estar “extremamente satisfeito por podermos propor um profissional altamente reconhecido e com provas dadas na banca internacional como meu sucessor”.

“Estou convencido de que, sujeito à eleição na próxima Assembleia Geral Anual, e graças ao seu impressionante historial de realizações, António Horta-Osório vai dar um enorme contributo para o sucesso futuro do nosso banco como líder global na gestão de patrimónios com fortes capacidades na banca de investimento”, conclui Urs Rohner, atual Chairman do Credit Suisse, a propósito deste anúncio.

 

Ler mais
Relacionadas

Lloyds: Sai Horta Osório e entra Charlie Nunn. HSBC: Sai Charlie Nunn e entra Nuno Matos

No maior banco de retalho britânico sai António Horta Osório e entra o responsável pela divisão de banca privada e gestão de fortunas do HSBC, Charlie Nunn, que por sua vez deixa essa função de CEO desta divisão no HSBC a outro português, Nuno Matos, que passou antes pelo Banco de Portugal e pelo Santander.
Recomendadas

Morgan Stanley regista lucro e receita acima do esperado no quarto trimestre

A receita, por sua vez, subiu de 10,9 mil milhões de dólares nos últimos três meses de 2019 para 13,6 mil milhões nos meses de outubro a dezembro do ano passado, superando as previsões dos analistas.

BEI mobiliza 50 mil milhões de euros para ajudar PME no primeiro semestre

O Banco Europeu de Investimento (BEI) planeia mobilizar cerca de 50.000 milhões de euros de financiamento no primeiro semestre para ajudar as PME através do novo fundo de garantia criado para lidar com as consequências da pandemia, foi anunciado.

Goldman Sachs e Bank of America surpreendem nos lucros em plena pandemia

Os maiores bancos dos Estados Unidos resistiram à recessão trazida pela pandemia do coronavírus, mas não ficaram imunes às baixas taxas de juro que a crise gerou. O Goldman Sachs teve a melhor receita de ‘trading’ de ações em 10 anos o que compensou a atividade bancária.
Comentários