António Ramalho admite nova injeção de capital no Novo Banco

“Não ponho de parte nenhum cenário”, afirmou o presidente executivo do Novo Banco, em entrevista ao “Dinheiro Vivo” e à rádio TSF.

Cristina Bernardo

O presidente executivo do Novo Banco, António Ramalho, não exclui o cenário que o banco que lidera venha a receber uma nova injeção de capital do Estado português, segundo uma entrevista concedida ao “Dinheiro Vivo” e à rádio TSF, este sábdo, 12 de setembro.

“Não ponho de parte nenhum cenário. Importa dizer aos portugueses que é mais útil – nesta altura em que temos capacidade de financiar -, financiar o Novo Banco para que ele fique bom e, no próximo ano, contar com o financiamento e a resposta e a devolução do Novo Banco para dar à sociedade estas respostas”, afirmou António Ramalho.

“Claro que as pessoas não gostam de saber que esta capitalização [do Novo Banco] foi feita às prestações”, acrescentou o banqueiro, que criticou o facto de a capitalização do Novo Banco não ter sido como a da Caixa Geral Depósitos ou a do Banif.

Na mesma entrevista, o gestor garantiu que o Novo Banco não vendeu ativos ao desbarato e lamentou que a auditoria da Deloitte à instituição bancária que lidera esteja a ser politizada.

A auditoria levada a cabo pela Deloitte revelou que as vendas de ativos do antigo BES  foram realizadas a “valores inferiores” aos das “últimas avaliações disponíveis”. Segundo o Governo, o relatório revelou também perdas líquidas de 4.042 milhões de euros no Novo Banco (entre 04 de agosto de 2014, um dia após a resolução do BES, e 31 de dezembro de 2018) e “descreve um conjunto de insuficiências e deficiências graves” no BES, até 2014, na concessão de crédito e investimento em ativos financeiros e imobiliários.

 

Recomendadas
João Paulo Correia

Novo Banco: PS acusa PSD de querer ganhar na secretaria o que não ganhou com inquérito

“O Partido Socialista esperava da parte do PSD uma posição mais responsável e mais construtiva nesta fase do inquérito. O PSD sente-se tentado a ganhar na secretaria aquilo que não foram os ganhos que espera ter durante os trabalhos do inquérito”, afirmou o deputado socialista João Paulo Correia.

Banco de Portugal divulga primeiro Relatório de Sustentabilidade

Destacam-se, pela sua relevância no contexto da crise pandémica, as ações de comunicação sobre as moratórias e sobre os serviços de pagamento eletrónicos, bem como o protocolo assinado com o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social para a promoção dos serviços mínimos bancários”, diz o BdP.

BCE autoriza bancos a distribuírem livremente dividendos a partir de outubro

A recomendação sobre dividendos permanece aplicável até 30 de setembro de 2021, ou seja, as próximas decisões de pagamento de dividendos devem ocorrer no quarto trimestre de 2021, diz o BCE que liberta assim os bancos para distribuírem dividendos aos seus acionistas a partir de outubro.
Comentários