António Ramalho diz que anulação de transferência para o Novo Banco foi um “percalço”

O presidente executivo do Novo Banco, António Ramalho, considerou esta sexta-feira que a anulação, pelo parlamento, da transferência de 476 milhões de euros do Fundo de Resolução para o banco foi um “percalço”.

António Ramalho | Cristina Bernardo

“O percalço que aconteceu no parlamento é um percalço que naturalmente terá que ser analisado com profundidade, o que faremos”, disse António Ramalho esta sexta-feira aos jornalistas, em declarações transmitidas pela RTP.

O presidente da instituição bancária recordou que “o que o parlamento decidiu foi, de alguma forma, o congelamento da transferência devida ao Novo Banco, se for devida”.

“Isso só é determinado nas contas no final do ano, após um conjunto de escrutínios que pretendem ser feitos”, disse o líder do banco que sucedeu ao Banco Espírito Santo (BES).

“O Novo Banco é o banco mais escrutinado de Portugal e, julgo eu, o mais escrutinado da Europa”, considerou o gestor.

O plenário do parlamento confirmou na quinta-feira a votação na especialidade da proposta orçamental do BE que anula a transferência de 476 milhões de euros do Fundo de Resolução para o Novo Banco.

Numa votação confusa e que teve de ser repetida, depois de avocada e debatida no plenário, PSD, PCP, PEV, Chega e a deputada não inscrita Joacine Katar Moreira juntaram os seus votos ao BE para viabilizar esta alteração, apesar dos votos contra de PS, Iniciativa Liberal e da deputada não inscrita Cristina Rodrigues e a abstenção do CDS-PP e do PAN.

A aprovação desta proposta do BE representou a surpresa da maratona de votações do Orçamento do Estado para 2021 (OE2021), na quarta-feira.

O Orçamento do Estado para 2021 (OE2021) foi aprovado na quinta-feira, no parlamento, apenas com os votos favoráveis do PS, e com a abstenção do PCP, PEV, PAN e das duas deputadas não inscritas. Votaram contra os deputados do PSD, BE, CDS, Iniciativa Liberal e Chega.

Relacionadas

Bruxelas está a “monitorizar cumprimento” dos contratos da venda do Novo Banco

Ao Jornal Económico, a Direcção-Geral da Concorrência europeia garante que está “a monitorizar o cumprimento” dos compromissos assumidos pelo Estado português em 2017 no âmbito da venda de 75% do Novo Banco ao acionista norte-americano Lone Star.

PremiumOE2021: Reviravolta evita esforço de reversão feito pelo Governo

Votação da proposta bloquista gerou polémica mas, entre avanços e recuos, acabou aprovada.

OE2021: Albuquerque assume responsabilidade pelo episódio dos deputados do PSD Madeira e diz que as instruções foram suas

O líder do executivo madeirense disse que o episódio com os deputados da Madeira, que mudaram em instantes o sentido de voto, a uma proposta do BE, que impedia transferências para o Novo Banco, resultou de um quadro de negociação política, e reforça que esse episódio foi bom para a Madeira.
Recomendadas
João Paulo Correia

Novo Banco: PS acusa PSD de querer ganhar na secretaria o que não ganhou com inquérito

“O Partido Socialista esperava da parte do PSD uma posição mais responsável e mais construtiva nesta fase do inquérito. O PSD sente-se tentado a ganhar na secretaria aquilo que não foram os ganhos que espera ter durante os trabalhos do inquérito”, afirmou o deputado socialista João Paulo Correia.

Banco de Portugal divulga primeiro Relatório de Sustentabilidade

Destacam-se, pela sua relevância no contexto da crise pandémica, as ações de comunicação sobre as moratórias e sobre os serviços de pagamento eletrónicos, bem como o protocolo assinado com o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social para a promoção dos serviços mínimos bancários”, diz o BdP.

BCE autoriza bancos a distribuírem livremente dividendos a partir de outubro

A recomendação sobre dividendos permanece aplicável até 30 de setembro de 2021, ou seja, as próximas decisões de pagamento de dividendos devem ocorrer no quarto trimestre de 2021, diz o BCE que liberta assim os bancos para distribuírem dividendos aos seus acionistas a partir de outubro.
Comentários