António Ramalho garante que CESL Ásia vai manter empregos na Casa Agrícola Monte do Pasto

O CESL Ásia quer o Monte do Pasto a intensificar exportações para Macau e China. A operação teve um “enterprise value” (inclui dívida) de 37,5 milhões. Esta operação é a plataforma do grupo liderado por António Trindade para fazer a ponte da China com os países de língua portuguesa.

Cristina Bernardo

A Casa Agrícola Monte do Pasto, que era do Novo Banco, foi comprada pelo grupo CESL Ásia – Investimentos e Serviços, Limited, através das suas subsidiárias integrais Focus Platform e Focus Agriculture. O grupo de Macau aproveitou a operação para apresentar em Lisboa a Plataforma Portugal-Macau, designada de Plataforma Focus.

António Ramalho, nesse evento de apresentação, congratulou-se com o desfecho da venda, porque permite não só “manter os postos de trabalho, como aumentá-los”. O presidente do Novo Banco, que através de um fundo de capital de risco tinha 16% do Monte do Pasto, revelou que os chineses querem potenciar novos mercados.

O CEO salientou que “é assim que se recuperam empresas” e perante os chineses revelou “que este não é apenas o fim de um projeto de sucesso, mas sim o início de uma cooperação que passa por apoiar investimentos chineses em Portugal através da plataforma”. Logo. este acordo do Novo Banco com a CESL é o princípio de uma “grande amizade”.

Este ativo, cuja venda teve de passar pelo Fundo de Resolução, tem um valor com dívida (enterprise value) de 37,5 milhões de euros.

O grupo de Macau liderado por António Trindade, em Portugal tem estado focado nas energias renováveis, nomeadamente na energia solar com painéis solares CPV (Concentrated Photovoltaic) e PV (Photovoltaic).

A CESL Ásia tem ainda projetos imobiliários, mas a grande aposta é a agropecuária, o que se materializa com a aquisição do Grupo Monte do Pasto ao Novo Banco. Esta empresa agrícola é o maior criador de bovinos ao ar livre na Península Ibérica e exporta 90% da sua produção. Vendem para Marrocos, Israel, Tunísia e Argélia. O Monte do Pasto situa-se em Cuba e Alvito no Alentejo e vende 25 milhões de euros por ano em animais de alta qualidade. São também os maiores compradores de vitelos no país.

António Ramalho disse ainda que salvar este grupo agrícola é salvar o maior empregador privado do distrito de Beja e salvar toda uma cadeia de valor, assente num vasto grupo de fornecedores.

A CESL Ásia formalizou em Lisboa a aquisição do Grupo Monte do Pasto, localizado nos municípios de Cuba e Alvito, no Alentejo. Numa cerimónia que contou com António Trindade, CEO do CESL Ásia; António Ramalho do Novo Banco; o vice-presidente do Banco da China em Macau (Ip Sio Kai); o secretário de Economia do Governo de Macau e o embaixador da China em Lisboa.

O Bank of China financiou o grupo na compra.

Trata-se de uma aquisição significativa de importantes capacidades de gestão e operações em Portugal, com integração no CESL Ásia da equipa do Monte do Pasto, além de um ativo que compreende 3.700 Ha de terras agrícolas, usadas principalmente como pastagens, mas que pode ser desenvolvido e valorizado por meio de atividades agrícolas adicionais, aproveitando as condições naturais e o acesso à água do Alqueva.

O grupo CESL Ásia planeia desenvolver, com o Monte do Pasto, uma plataforma Portugal-Macau que potencie as produções existentes, permita o lançamento de novas atividades agrícolas e pecuárias sustentáveis e contribua significativamente para o desenvolvimento de toda a região do Alentejo e a economia portuguesa.

Ler mais
Recomendadas

Falhas na rede móvel da NOS solucionadas. Operador vai averiguar “grave incidente”

A operadora admitiu que falha na rede “provocou interrupção do serviço de voz e dados”, “com impacto em clientes em algumas zonas do país”. Fonte oficial da NOS explicou ao JE que entre o reporte das falhas e a sua resolução passaram “apenas” duas horas e que os planos de contingência foram prontamente ativados e bem sucedidos.

Miguel Maya: “BCP já tem cinco mil operações por dia feitas por robôs”

“O BCP aprendeu com os erros do passado”, reconheceu o banqueiro. Miguel Maya disse que era preciso a tecnologia com a relação humana já que “a tecnologia é para servir a relação”, referiu.

Quatro azeites portugueses entre os 100 melhores do mundo

Três dos azeites portugueses premiados têm preços abaixos dos seis euros, com o quarto a custar dez euros.
Comentários