PremiumAntonoaldo Neves diz que obras na Portela podem causar acidentes

Antonoaldo Neves defende solução alternativa proposta pela consultora PASSUR. Confrontada pelo JE, concessionária aeroportuária rejeita críticas da TAP e diz que restantes companhias “não se queixam”.

A guerra no Aeroporto Humberto Delgado entre a companhia aérea “incumbente” – a TAP que tem aí a base do seu hub – e a concessionária dos aeroportos portugueses Vinci-ANA não beneficia a TAP quando o seu presidente executivo, Antonoaldo Neves, diz que “a Portela é um dos piores aeroportos do mundo”, porque os aviões podem chocar nose to nose, nem beneficia a ANA, quando a concessionária diz que as restantes companhias a aéreas não se queixaram com as alterações introduzidas durante a Fase 1 das obras nas pistas da Portela. No entanto, a ANA explicou ao Jornal Económico que já fez alterações para uma saída rápida da pista 03, opcional, que já é utilizada por várias companhias aéreas, que assim reduzem atrasos, diz a ANA.

“A saída rápida em construção oferece uma opção aos aviões de tipo A320 ou B737 para saírem mais rapidamente da pista 03, contribuindo para uma utilização mais eficiente da pista, reduzindo o tempo de circulação dos aviões, das emissões de CO2, e permitindo uma melhor absorção dos atrasos, sendo por todos estes motivos benéfico para todos”, refere a ANA. “Não é obrigatória e sendo uma opção vários operadores já manifestaram interesse em utilizá-la”, adianta a concessionária dos aeroportos.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PSD e PS chumbam moratórias nos pagamentos dos serviços de telecomunicações

Além de ter sido chumbada a possibilidade de criar moratórias nos pagamentos dos serviços de telecomunicações, o PCP viu PS, PSD, CDS-PP e PAN travar a proposta de implementar “medidas de salvaguarda”, o que impediria as operadoras de cortar serviços durante o Estado de Emergência.

Covid-19: Airbus anuncia redução de um terço na produção de aviões

O construtor europeu de aviões Airbus anunciou esta quarta-feira que vai fazer uma redução de um terço no ritmo de produção, adaptando as suas capacidades à evolução do mercado mundial de aeronáutica face à pandemia de covid-19.

Chineses desistem de comprar o BNI Europa

O contexto de incerteza na economia global causada pela pandemia da Covid-19 levou o Grupo chinês KWG a desistir de comprar 80,1% da participação do BNI Europa. Negócio estava alinhavado desde dezembro de 2017.
Comentários