Antram acusa sindicatos de motoristas de falhar prazo para designar trabalhadores para mínimos

A Associação de Transportadores de Mercadorias acusa os sindicatos de não cumprirem o prazo de envio dos trabalhadores para as escalas de serviços mínimos.

Em comunicado divulgado hoje de manhã, a Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram) indica que os sindicatos deviam ter designado os trabalhadores para cumprir os serviços mínimos até 24 horas antes do início da greve, que começa às 00h01 de segunda-feira.

“Tal obrigação foi incumprida pelos sindicatos, mais uma vez, ao contrário do que disseram que iriam fazer em toda a comunicação social durante o dia de ontem [sábado]”, escreve a Antram, numa nota enviada por André Matias de Almeida, advogado e porta-voz da Associação.

O Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM) e o Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) decidiram no sábado manter a greve com início na segunda-feira, por tempo indeterminado, após a realização de um plenário conjunto.

Para a Antram, os sindicalistas estão a “fazer tudo” para que os serviços mínimos não sejam cumpridos.
“Seria muito mais eficiente às empresas proceder ao seu cumprimento se os sindicatos indicassem logo os trabalhadores que os iriam realizar, até porque dessa forma contribuiriam para uma tensão menor entre empregadores e trabalhadores na medida em que agora serão as empresas a indicar os trabalhadores”, refere a nota da Antram.

Assim, as empresas transportadoras irão designar os trabalhadores para os serviços mínimos, esperando que “seja possível contactar os trabalhadores que ficarão adstritos aos serviços mínimos”.
Portugal está até às 23h59 de 21 de agosto em situação de crise energética, decretada pelo Governo devido à greve de motoristas.

Os motoristas reivindicam que a associação patronal Antram cumpra o acordo assinado em maio, que prevê uma progressão salarial.

O Governo decretou serviços mínimos entre 50% e 100%, racionou os abastecimentos de combustíveis e declarou crise energética até às 23h59 de 21 de agosto, o que implica “medidas excecionais” para minimizar os efeitos da paralisação e garantir o abastecimento de serviços essenciais como forças de segurança e emergência médica.

Ler mais
Relacionadas
greve_motoristas_matérias_perigosas_4

Críticas à ANTRAM e ao Governo. Como foi o plenário do Sindicato Independente dos Motoristas

O Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM) reuniu-se este sábado de manhã, no Estádio Municipal de Leiria, para discutir a greve anunciada para segunda-feira, dia 12. Saiba o que ficou decidido e o que os motoristas esperam da parte da associação patronal Antram.

Marcelo teme efeito da greve dos motoristas nas eleições legislativas

O chefe de Estado acredita que o Governo de António Costa está a gerir o caso para conseguir o máximo efeito e conquistar a maioria absoluta nas eleições legislativas, avança o jornal “Público”.

Costa sobre greve dos motoristas: “Governo atuará sempre de forma adequada às necessidades”

O líder do Executivo socialista não põe de parte a possibilidade de recorrer à requisição civil e considera que “um Governo responsável tem de estar sempre preparado para o pior”.
Recomendadas

Epson Europa vê Portugal como “mercado totalmente estratégico”

Raúl Sanahuja, responsável de Relações Públicas e Comunicação da Epson, considera que as empresas portuguesas são mais “ousadas” e “lançadas” na integração de tecnologia de impressão.

“Problemas no setor de aviação convertem-se em oportunidades”, considera CEO da EuroAtlantic

Quais os grandes desafios que o setor da aviação vai ter que ultrapassar? Eugénio Fernandes, CEO da EuroAtlantic, esclarece que a empresa funciona em contraciclo com o mercado e que os problemas no setor convertem-se em oportunidades. Quanto aos problemas, este responsável aponta a falta de pessoal como questão a ultrapassar.

PremiumPartner da Peugeot lidera vendas nacionais da marca

Jean-Philippe Imparato explicou ao Jornal Económico a evolução global da marca no ano passado, com uma quebra de 8,8% registada nas suas vendas mundiais (excluído o mercado do Irão).
Comentários