Aon lança ferramenta de avaliação de risco cibernético

Com o objectivo de consciencializar as organizações e o mercado para o risco crescente dos ciberataques, a Aon anunciou o lançamento do CyQu (Aon Cyber Quotient Evaluation).

Com o objectivo de consciencializar as organizações e o mercado para o risco crescente dos ciberataques, a corretora de seguros Aon anunciou o lançamento do CyQu (Aon Cyber Quotient Evaluation), uma ferramenta que faz um diagnóstico à maturidade e ao risco das empresas para capacitá-las numa avaliação do seu risco cibernético e, assim, desenvolver uma estratégia de mitigação personalizada e baseada em dados concretos.

Através de uma plataforma Web, o CyQu oferece uma visão da resiliência cibernética e oferece uma mitigação prática dos riscos. A solução inclui uma avaliação de resiliência cibernética por parte de profissionais da Aon, um seguro cibernético, desde que os clientes utilizem as soluções da Cisco e produtos da Apple, e serviços de resposta a incidentes por parte das equipas de resposta da Cisco e da Aon no caso de um ataque de malware.

“A ameaça de ataques cibernéticos é um dos maiores riscos que o mercado actual enfrenta. O risco pode ser estrategicamente gerido, mas apenas se for compreendido através da análise de dados e tratado de maneira holística, como um risco corporativo. O CyQu torna isso possível”, disse James Trainor, senior vice-presidente da Aon Cyber Solutions.

PCGuia
Recomendadas

Caixa não pode “descurar o rigor” nem cometer “erros” após boas notícias, diz Paulo Macedo

“Se a Caixa se mantiver competitiva, se a Caixa assegurar uma boa ‘governance’, se a Caixa mantiver um rigor de crédito e melhorar as suas práticas e cada vez tiver mais próxima do cliente, se não fizer o oposto disto, eu acho que apesar do negócio bancário estar muito difícil, e dos proveitos ‘core’ bancários preverem-se estar estagnados, a Caixa tem uma boa base para prosseguir o seu caminho”, disse o CEO da CGD.

Impacto do fim das moratórias na banca será menor que esperado, diz CEO da CGD

“O final das moratórias afetará muitas empresas e muitos particulares – por exemplo no caso da CGD houve mais de 2.000 pessoas que nos pediram para restruturar os seus créditos e, portanto, restruturámo-los -, mas em termos macroeconómicos diria não se espera que o fim das moratórias cause um problema nos bancos, como estava dito, ou cause um problema enorme”, disse Paulo Macedo.

Moody’s melhora rating de seis bancos portugueses

A Moody’s realizou hoje ações de rating em seis grupos bancários portugueses – CGD, BCP, Santander, Novo Banco, BPI e Crédito Agrícola. A agência elevou as classificações de depósito de longo prazo de quatro bancos e a classificação de dívida sénior sem garantia (unsecured) de um banco. Também mudou a perspectiva dos ratings de depósito de longo prazo de três bancos e dos ratings de dívida sénior não garantida de um banco.
Comentários