Apelo ao boicote dos vinhos de Berardo está a ser alvo de críticas: “Alguém pensou nas pessoas que lá trabalham e precisam do ordenado?”

Os apelos ao boicote dos vinhos de Joe Berardo já contam com mais de 17 mil partilhas nas redes sociais. Garrafeira que proibiu a venda destes vinhos diz que “quem rouba os portugueses não pode ser ajudado”. Chef Alexandre Silva critica apelo e pede para os trabalhadores dos vinhos da Bacalhôa serem tidos em conta.

O empresário Joe Berardo causou controvérsia durante a semana passada ao afirmar que “pessoalmente” não tem dívidas, durante a sua audição parlamentar na comissão de inquérito à Caixa Geral de Depósitos.

Com negócios em diversas áreas, incluindo os vinhos Bacalhôa, com sede em Azeitão, distrito de Setúbal, o setor do vinho pode vir a ser o mais prejudicado, uma vez que existem boicotes para que estes deixem de ser comercializados. A garrafeira BacoAlto em Lisboa anunciou um boicote aos vinhos cujo nome de Berardo está associado.

Na sua publicação, a garrafeira diz que a partir de terça-feira que “não compra nem aconselha vinhos das empresas em que José Manuel Rodrigues Berardo é acionista”, sendo que “as razões são mais do que conhecidas” referindo-se à dívida que Berardo garante que não tem.

O gerente da garrafeira, António Albuquerque, disse ao ‘Observador’ que tem a “perfeita noção de que os vinhos destas empresas são bons” mas que “o acionista é que deixa muito a desejar”.

Quem mostra ser contra este boicote é o chef Alexandre Silva, do restaurante Loco, em que acusa os apoiantes do boicote de não pensarem nos trabalhadores dos vinhos da Bacalhôa. “Alguém pensou nas pessoas que lá trabalham e precisam do ordenado para colocar comida na mesa?” questionou Alexandre Silva na sua página pessoal da rede social Facebook.

Apesar de o número de trabalhadores não estar detalhado no site oficial da empresa, Berardo conta com mais de 40 quintas para a produção de vinhos, em várias regiões portuguesas: como Azeitão na península de Setúbal, Alentejo e Douro.

A empresa Bacalhôa de Joe Berardo, que detém várias adegas no país, tem uma capacidade total de 20 milhões de litros, 1.500 barricas de carvalho e uma área de vinhas que pode chegar aos 1.200 hectares, segundo a empresa.

Ler mais
Relacionadas

Marcelo não vê com maus olhos a retirada de condecorações a Joe Berardo

A decisão de retirar as duas condecorações está nas mãos do conselho das ordens nacionais. Mas se o conselho presidido por Manuela Ferreira Leite decidir retirar, o Presidente da República não se vai opor.

Parlamento vai enviar transcrição da audição de Berardo para o MP

Vai ser pedido com “urgência” aos serviços do Parlamento a transcrição da audição de Joe Berardo que esteve na sexta-feira, 10 de maio, mais de cinco horas do Parlamento a responder aos deputados da comissão de inquérito à gestão da CGD. Objetivo: a Justiça avaliar se há matéria criminal relevante com base nas declarações do empresário madeirense.

Do “fuck him” a Rui Costa ao “faz parte da natureza humana contrair dívidas”: As 10 frases mais polémicas de Joe Berardo

Na última década, o comendador foi o protagonista de algumas frases polémicas sobre o Benfica, Rui Costa, o BCP, Jardim Gonçalves, dívidas ou a sua colecção de arte.

“Desprestigiou Portugal e as instituições”. CDS defende retirada de títulos honoríficos a Joe Berardo

Os democratas-cristãos consideram que Joe Berardo “desprestigiou Portugal, os portugueses e as suas instituições” e “não dignificou a sua Ordem”, ao “se eximir ao pagamento de dívidas que conscientemente contraiu”.

Berardo foi condecorado por Eanes e Sampaio. Empresário deve deixar de ser comendador? Há quem defenda que sim

Depois da polémica audição no Parlamento, Nuno Melo e José Miguel Júdice defendem que o empresário deve deixar de ser comendador. José Miguel Júdice admite devolver a sua condecoração se Marcelo Rebelo de Sosua não retirar a condecoração a Joe Berardo.
Recomendadas

Em 2050, vamos ser 10 mil milhões. Alimentos geneticamente modificados podem ser solução

Com um clima em constante alteração e um aumento da população mundial, a necessidade de responder à procura de alimentos vai-se agravar. O World Resources Institute sugere que alimentos geneticamente modificados sejam a solução.

GoParity abre segunda fase para financiar produção sustentável de ostras

Depois de um primeiro financiamento de 125 mil euros, a GoParity vai lançar amanhã uma segunda ronda, com financiamento previsto de mais 150 mil euros. O projeto, orçado em cerca de 2,1 milhões de euros, permitirá à empresa portuguesa OysterWorld aumentar capacidade produtiva de ostras para cerca de 360 toneladas/ano e aumentar as exportações para Espanha, França ou Holanda.

Ordem dos Engenheiros debate falta de água no Tejo

A instituição liderada por Mineiro Aires explica que o ‘Projeto Tejo’ pretende ser a resposta à falta de água que se começa a sentir no rio Tejo e que já afeta fortemente a região do Oeste, situação que se tende a agravar em resultado das alterações climáticas.
Comentários