Apelo ao boicote dos vinhos de Berardo está a ser alvo de críticas: “Alguém pensou nas pessoas que lá trabalham e precisam do ordenado?”

Os apelos ao boicote dos vinhos de Joe Berardo já contam com mais de 17 mil partilhas nas redes sociais. Garrafeira que proibiu a venda destes vinhos diz que “quem rouba os portugueses não pode ser ajudado”. Chef Alexandre Silva critica apelo e pede para os trabalhadores dos vinhos da Bacalhôa serem tidos em conta.

O empresário Joe Berardo causou controvérsia durante a semana passada ao afirmar que “pessoalmente” não tem dívidas, durante a sua audição parlamentar na comissão de inquérito à Caixa Geral de Depósitos.

Com negócios em diversas áreas, incluindo os vinhos Bacalhôa, com sede em Azeitão, distrito de Setúbal, o setor do vinho pode vir a ser o mais prejudicado, uma vez que existem boicotes para que estes deixem de ser comercializados. A garrafeira BacoAlto em Lisboa anunciou um boicote aos vinhos cujo nome de Berardo está associado.

Na sua publicação, a garrafeira diz que a partir de terça-feira que “não compra nem aconselha vinhos das empresas em que José Manuel Rodrigues Berardo é acionista”, sendo que “as razões são mais do que conhecidas” referindo-se à dívida que Berardo garante que não tem.

O gerente da garrafeira, António Albuquerque, disse ao ‘Observador’ que tem a “perfeita noção de que os vinhos destas empresas são bons” mas que “o acionista é que deixa muito a desejar”.

Quem mostra ser contra este boicote é o chef Alexandre Silva, do restaurante Loco, em que acusa os apoiantes do boicote de não pensarem nos trabalhadores dos vinhos da Bacalhôa. “Alguém pensou nas pessoas que lá trabalham e precisam do ordenado para colocar comida na mesa?” questionou Alexandre Silva na sua página pessoal da rede social Facebook.

Apesar de o número de trabalhadores não estar detalhado no site oficial da empresa, Berardo conta com mais de 40 quintas para a produção de vinhos, em várias regiões portuguesas: como Azeitão na península de Setúbal, Alentejo e Douro.

A empresa Bacalhôa de Joe Berardo, que detém várias adegas no país, tem uma capacidade total de 20 milhões de litros, 1.500 barricas de carvalho e uma área de vinhas que pode chegar aos 1.200 hectares, segundo a empresa.

Ler mais
Relacionadas

Marcelo não vê com maus olhos a retirada de condecorações a Joe Berardo

A decisão de retirar as duas condecorações está nas mãos do conselho das ordens nacionais. Mas se o conselho presidido por Manuela Ferreira Leite decidir retirar, o Presidente da República não se vai opor.

Parlamento vai enviar transcrição da audição de Berardo para o MP

Vai ser pedido com “urgência” aos serviços do Parlamento a transcrição da audição de Joe Berardo que esteve na sexta-feira, 10 de maio, mais de cinco horas do Parlamento a responder aos deputados da comissão de inquérito à gestão da CGD. Objetivo: a Justiça avaliar se há matéria criminal relevante com base nas declarações do empresário madeirense.

Do “fuck him” a Rui Costa ao “faz parte da natureza humana contrair dívidas”: As 10 frases mais polémicas de Joe Berardo

Na última década, o comendador foi o protagonista de algumas frases polémicas sobre o Benfica, Rui Costa, o BCP, Jardim Gonçalves, dívidas ou a sua colecção de arte.

“Desprestigiou Portugal e as instituições”. CDS defende retirada de títulos honoríficos a Joe Berardo

Os democratas-cristãos consideram que Joe Berardo “desprestigiou Portugal, os portugueses e as suas instituições” e “não dignificou a sua Ordem”, ao “se eximir ao pagamento de dívidas que conscientemente contraiu”.

Berardo foi condecorado por Eanes e Sampaio. Empresário deve deixar de ser comendador? Há quem defenda que sim

Depois da polémica audição no Parlamento, Nuno Melo e José Miguel Júdice defendem que o empresário deve deixar de ser comendador. José Miguel Júdice admite devolver a sua condecoração se Marcelo Rebelo de Sosua não retirar a condecoração a Joe Berardo.
Recomendadas

Jamie’s Italian em Lisboa foge ao cenário de insolvência e permanece aberto

A gerência do restaurante do chef britânico Jaime Oliver, situado na Praça do Príncipe Real, garante que o espaço não será afetado pelo processo de insolvência da cadeia de restaurantes.

Melhores vinhos do Dão vão ser conhecidos amanhã

Em Viseu, no Solar do Vinho do Dão, estarão dezenas de vinhos da região em prova para todos os visitantes deste evento.

Sumol+Compal vendeu 83 milhões nos mercados internacionais em 2018

O volume de negócios da empresa no ano passado deverá ter rondado os 332 milhões de euros, dos quais cerca de 25% foram obtidos na vertente de exportações.
Comentários