Apple considera mudar até 30% das operações da China para o Sudeste Asiático

A Índia e o Vietname são as opções cimeiras para a gigante tecnológica. A corretora Wedbush Securities sublinha que levaria pelo menos 2 a 3 anos a transferir 15% da produção de iPhones da China para outras regiões.

Flickr

A gigante tecnológica Apple pediu aos seus principais fornecedores que considerassem um novo centro de operações fora da China. A notícia é divulgada pela agência “Reuters”, cita a “Nikkei Asian Review”, onde são apontadas as implicações de custo numa possível transferência entre 15% a 30% da capacidade de produção da empresa da ‘maçã’ da China para o Sudeste Asiático.

A fabricante do iPhone decidiu que os riscos de depender fortemente do fabrico na China são “altos” e até mesmo “crescentes”. A lista de países considerados inclui o México, a Indonésia, a Malásia, a Índia e o Vietname, sendo que estes dois últimos estão entre os favoritos.

No início deste mês, a agência de notação financeira Fitch afirmou que vê a Apple, a Dell Technologies e a HP como potenciais candidatos à lista negra da China, sendo que estão a ser escolhidas empresas americanas em retaliação às restrições feitas contraa a Huawei.

A Foxconn, a Pegatron, a Wistron, a maior fabricante de computadores MacBook, a fabricante de iPads Compal Electronics, e as fabricantes de AirPods, Inventec, Luxshare-ICT e Goertek, foram algumas das empresas convidadas a considerar operações fora da China, informou o Nikkei.

Analistas da Wedbush Securities acreditam que, no melhor dos casos, a Apple pode vir a ser capaz de transferir entre 5% a 7% das operações para a Índia nos próximos 12 a 18 meses, mas dada a complexidade e a logística, a corretora sublinhou que levaria pelo menos 2 a 3 anos a transferir 15% da produção de iPhones da China para outras regiões.

A China é um mercado chave para a Apple, bem como um importante centro de produção dos seus dispositivos. No primeiro trimestre deste ano, a empresa obteve quase 18% da sua receita total das vendas naquele país.

Um prazo ainda não foi definido para os fornecedores finalizarem as suas propostas comerciais, esclarece o Nikkei, acrescentando que levará pelo menos 18 meses para começar a produção depois da transferência para um novo local.

Ler mais
Recomendadas

Estudo revela que três em cada dez startups do Porto correm o risco de fechar

O relatório “Impacto da Covid-19 nas Startups do Porto”, elaborado pela Porto Digital, FES Agency e Aliados Consulting, revela que 31,7% das startups têm até três meses de capital disponível.

PremiumMontepio Crédito defende CFEI para capitalizar empresas

Pedro Gouveia Alves realça que este instrumento de crédito fiscal já deu provas positivas em 2014. Autonomia financeira do setor ronda apenas os 20%.

PremiumProibição dos festivais até ao final de setembro “é uma catástrofe para centenas de empresas”

Todos os serviços que estão integrados na realização de um festival musical estão a ser afetados pela lei que proíbe a realização desse tipo de eventos.
Comentários