Apple considera mudar até 30% das operações da China para o Sudeste Asiático

A Índia e o Vietname são as opções cimeiras para a gigante tecnológica. A corretora Wedbush Securities sublinha que levaria pelo menos 2 a 3 anos a transferir 15% da produção de iPhones da China para outras regiões.

Flickr

A gigante tecnológica Apple pediu aos seus principais fornecedores que considerassem um novo centro de operações fora da China. A notícia é divulgada pela agência “Reuters”, cita a “Nikkei Asian Review”, onde são apontadas as implicações de custo numa possível transferência entre 15% a 30% da capacidade de produção da empresa da ‘maçã’ da China para o Sudeste Asiático.

A fabricante do iPhone decidiu que os riscos de depender fortemente do fabrico na China são “altos” e até mesmo “crescentes”. A lista de países considerados inclui o México, a Indonésia, a Malásia, a Índia e o Vietname, sendo que estes dois últimos estão entre os favoritos.

No início deste mês, a agência de notação financeira Fitch afirmou que vê a Apple, a Dell Technologies e a HP como potenciais candidatos à lista negra da China, sendo que estão a ser escolhidas empresas americanas em retaliação às restrições feitas contraa a Huawei.

A Foxconn, a Pegatron, a Wistron, a maior fabricante de computadores MacBook, a fabricante de iPads Compal Electronics, e as fabricantes de AirPods, Inventec, Luxshare-ICT e Goertek, foram algumas das empresas convidadas a considerar operações fora da China, informou o Nikkei.

Analistas da Wedbush Securities acreditam que, no melhor dos casos, a Apple pode vir a ser capaz de transferir entre 5% a 7% das operações para a Índia nos próximos 12 a 18 meses, mas dada a complexidade e a logística, a corretora sublinhou que levaria pelo menos 2 a 3 anos a transferir 15% da produção de iPhones da China para outras regiões.

A China é um mercado chave para a Apple, bem como um importante centro de produção dos seus dispositivos. No primeiro trimestre deste ano, a empresa obteve quase 18% da sua receita total das vendas naquele país.

Um prazo ainda não foi definido para os fornecedores finalizarem as suas propostas comerciais, esclarece o Nikkei, acrescentando que levará pelo menos 18 meses para começar a produção depois da transferência para um novo local.

Ler mais
Recomendadas

“Garra Vimaranense” guia estratégia de captação de turismo

A estratégia apresentada pela Câmara Municipal de Guimarães concretiza-se através de três programas principais, 12 projetos e 48 subprojetos que envolverão toda a população vimaranense.

UTAO: Novo Banco atira défice para 0,8% do PIB no 1.º semestre

O valor estimado pela UTAO para o semestre fica aquém da meta do Governo para o conjunto do ano, de 0,2% do PIB, “sem, contudo, colocar em causa o seu cumprimento”, consideram os técnicos do parlamento.

BCP convoca assembleia de obrigacionistas para discutir fusão do BII

A assembleia geral de obrigacionistas realizar-se-à no dia 21 de outubro, pelas 9h00, no edifício 5 do Taguspark, onde se situam as instalações do banco. BCP garante que a fusão não terá impacto para os trabalhadores do BII e que a sua incorporação contabilística no banco liderado por Miguel Maya será considerada a partir do dia 1 de janeiro de 2019, se entretanto a operação for autorizada pelo Banco Central Europeu.
Comentários