Aprender a pensar para comunicar. Faculdade de Direito da Católica no Porto lança formações

Cursos de Comunicação Escrita e Ferramentas de Desenvolvimento Pessoal têm início em fevereiro e abril e são abertos à comunidade em geral.

A Escola do Porto da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa vai abrir à comunidade em geral a participação nos seus próximos dois workshops: Comunicação Escrita, que se realiza a 8 e 10 de fevereiro, e Ferramentas de Desenvolvimento Pessoal, agendados para 26 e 28 de abril e 3 e 5 de maio.

As duas formações integram a oferta da Formação Avançada da Faculdade, irão decorrer presencialmente, com possibilidade de serem transmitidos online, e têm como objetivo fornecer aos participantes competências e ferramentas que permitam ajudar a ser um melhor comunicador.

A Faculdade explica a necessidade de “uma redação clara, cuidada e sem erros”, num século em que a comunicação escrita é uma realidade incontornável: “profissional, social ou familiarmente, usamos o correio eletrónico e as redes sociais como meios privilegiados de nos relacionarmos com os outros, o que obriga a um maior cuidado com a linguagem, o vocabulário e a estruturação frásica, de modo a que as mensagens sejam claras e redigidas com correção, sob pena de a mensagem não ser transmitida corretamente ao destinatário”

Se é preciso saber comunicar, é fundamental saber pensar para … comunicar. Nos diferentes contextos sociais atuais, seja para formalizar uma reclamação ou advogar um ponto de vista, explica a Faculdade, “é importante que saibamos o que pensar (e como construir o pensamento), como sustentar o que consideramos e, sobretudo, que disponhamos de técnicas para melhor comunicar a nossa perspetiva, em contextos diversos”.

Com base no pensamento, na argumentação e na comunicação, o workshop de Ferramentas de Desenvolvimento Pessoal propõe-se “partilhar e treinar toda uma série de competências, passíveis de ajudar qualquer indivíduo, não apenas a ser um melhor orador (mais cativante, assertivo e persuasivo), mas também a pensar melhor, de modo fundamentado, e a saber contra-argumentar solidamente”.

Recomendadas

Ministro da Educação: “A nossa prioridade é voltar à escola”

No Parlamento, Tiago Brandão Rodrigues voltou a defender esta quarta-feira, que as escolas são locais seguros, mas não avançou data para o regresso. Revelou que nos testes a três mil alunos do secundário e funcionários antes da interrupção letiva nos concelhos de risco, foram detetados 25 casos de Covid-19.

Professores portugueses para escolas timorenses devem chegar em março

Os 108 professores juntam-se a outros 33 que já estão em Timor-Leste, destacados nos Centros de Aprendizagem e Formação Escolar (CAFE), um projeto luso-timorense para a requalificação do ensino timorense em língua portuguesa.

Alunos regressam esta segunda-feira ao ensino a distância

As escolas tanto públicas como privadas, alteraram alguns procedimentos e estão, no geral, mais bem preparados, mas os diretores e os sindicatos de professores admitem que os problemas estão longe de resolvidos. Computadores e dificuldades no acesso à internet na lista do que está em falta.
Comentários