Aproveitar todo o talento

O projeto ‘Promova’, desenvolvido pela CIP com parceria formativa da Nova SBE, destina-se a empresas conscientes que querem ter maior diversidade nos seus cargos de liderança, e a líderes femininas com essa ambição.

O desenvolvimento da economia portuguesa tem sido dececionante, seja qual for a forma como possamos olhar para as últimas duas décadas de evolução. Crescemos, é certo, melhorámos, mas muito pouco, e fizemo-lo a um ritmo muito inferior ao de qualquer outra economia com que nos devemos comparar, o que quer dizer que ficámos para trás.

Quando enfrentamos a mais profunda crise económica de que estas gerações têm memória, da qual não conhecemos ainda a exata duração ou extensão, sabemos que, para recuperar, temos de aproveitar e valorizar todos os recursos disponíveis. O principal recurso que temos disponível são as pessoas, cujo talento é muitas vezes desaproveitado.

O Gender Diversity Index 2020, recentemente divulgado, revela que Portugal tem 19,9% de mulheres na gestão de topo das grandes empresas; é verdade que quase quadruplicámos desde os inaceitáveis 5% de 2013, mas estamos longe da paridade ou mesmo da média europeia, já por si baixa, de 26,6%.

Quando sabemos que as empresas mais inovadoras são as que têm equipas com maior diversidade e que a inovação é um fator essencial à competitividade e crescimento das empresas, é fácil constatar que estamos a desperdiçar uma parte significativa do mais importante recurso de que dispõe um país com as condições e os constrangimentos de Portugal: as pessoas.

Poderia dizer-se que bastaria impor uma quota e o assunto resolvia-se, mas não acredito que esse seja o caminho. A imposição legislativa seria mais um custo de contexto e não uma oportunidade de mudança. Veja-se a esse propósito os números de mulheres nos cargos superiores das empresas públicas (já reguladas) que continuam a não cumprir as quotas definidas na legislação.

O caminho tem de ser de transformação cultural e de mentalidades, de mulheres e homens, ou melhor, da sociedade como um todo.

Foi para acelerarmos este caminho de transformação que, na CIP, desenvolvemos o projeto Promova, destinado a empresas que estão conscientes e querem ter maior diversidade nos seus cargos de liderança, e a líderes femininas que têm essa ambição. Com este projeto estamos a promover a capacitação das líderes femininas para funções executivas de topo, envolvendo nesse processo as empresas e os atuais líderes, de forma a provocar a necessária transformação cultural.

Este é um programa executivo de alta qualidade, desenvolvido com a parceria formativa da Nova SBE, que integra, além de 96 horas de formação, componentes como coaching, mentoria cruzada e atividades de networking, o que o diferencia e torna o mais completo programa de liderança no mercado.

A primeira edição está ainda a decorrer, com um balanço muito positivo, medido não só pelas candidaturas e pela participação, mas também pelo interesse que suscitou e pela evolução de carreira já sentida por algumas das participantes.

A pertinência do projeto é ainda visível na capacidade de agregação gerada para a segunda edição, cujo processo de candidaturas está a decorrer até ao final do mês, e que levou grandes empresas como a Randstad, a ANA – Aeroportos de Portugal, a EDP – Energias de Portugal e a Sonae, a patrocinar o projeto.

Tal como referiu o Prof. Miguel Pita e Cunha no último modulo de formação, a liderança é um processo de influência social em que os líderes têm, cada vez mais, o papel de apoiar, inspirar e energizar as suas equipas e a sociedade. É esse o propósito deste projeto, liderar o caminho da transformação cultural para a igualdade de género.

Acreditamos que a diversidade é o caminho para mais inovação, maior crescimento e maior capacidade para responder ao enquadramento de mudança constante com que hoje somos confrontados.

Recomendadas

Menos otimista!

As empresas que mais me preocupam são as que precisam de capital ou que dependem da abertura do mundo. A recuperação aqui será mais lenta. Os investidores vão estar apreensivos.

É urgente legislar sobre os identificadores descentralizados

Não chega criar as funcionalidades para os novos ecossistemas. É preciso que a legislação as aceite para que a economia possa evoluir. @legisladores: talvez esteja na altura de se começar a discutir o assunto?

E o burro sou eu?

Não se pode nunca ignorar que uma sociedade que não confia nas suas instituições, em especial nas que integram o sistema judicial, caminha a passos largos para questionar a democracia e o seu funcionamento.
Comentários