Arábia Saudita e Emirados “preocupados” com eventual subida dos ‘stocks’ de petróleo

“Nenhum de nós quer ver os stocks novamente a aumentar, temos de ser cautelosos”, disse o ministro da Economia da Arábia Saudita, referindo-se à situação no final de 2018 que levou a uma quebra acentuada do preço do “ouro negro” no mercado internacional.

Sergei Karpukhin/Reuters

A Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos manifestaram hoje “preocupação” com uma eventual subida dos ‘stocks’ mundiais de petróleo, apesar das quedas de produção na Venezuela e no Irão.

Na abertura de uma reunião da OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo), num momento de tensões no Golfo, os dois grandes produtores defenderam que não há razões para aumentos da produção.

“Vemos os stocks a aumentarem”, disse o ministro da Economia saudita , Khaled al-Faleh Jeddah, na Arábia Saudita, no inicio do encontro da OPEP, em que participam outros grandes produtores, como a Rússia.

“Nenhum de nós quer ver os stocks novamente a aumentar, temos de ser cautelosos”, acrescentou, referindo-se à situação no final de 2018 que levou a uma quebra acentuada do preço do “ouro negro” no mercado internacional.

A Arábia Saudita é o maior exportador mundial de petróleo.

A reunião da OPEP está a decorrer num cenário de crescentes tensões no Golfo Pérsico e uma guerra psicológica entre os Estados Unidos da América e o Irão.

Também membros da OPEP, os iranianos, cujas exportações de petróleo estão duramente atingidas pelas sanções dos Estados Unidos, não compareceram na reunião.

Contudo, o Irão deverá ser o foco das discussões, depois de ataques contra um oleoduto da Arábia Saudita, reivindicado por rebeldes iemenitas apoiados por Teerão. Estes ataques ocorreram poucos dias depois de “atos de sabotagem” não reclamados na região do Golfo que afetaram também petroleiros sauditas.

Recomendadas

Unidade de contraterrorismo britânica investiga morte de deputado conservador

O chefe da polícia de Essex, Ben-Julian Harrington, disse que ainda não se sabe se o esfaqueamento foi um ataque terrorista e que “a investigação está na sua fase inicial”.

Cabo Verde já gastou mais 15% na importação de combustíveis face a 2020

De janeiro a agosto de 2020, período fortemente afetado pelo confinamento geral provocado pela pandemia de covid-19, o arquipélago importou quase 4.657 milhões de escudos (42,1 milhões de euros) em combustíveis, segundo o histórico do BCV.

Brexit: Londres insiste em tirar a Irlanda do Norte da jurisdição do TJUE

A União Europeia diz-se disponível para aceitar menos controlos sanitários e menos papelada na fronteira com o Reino Unido, mas Londres não abre mão da questão do Tribunal de Justiça da União Europeia. As negociações deverão ser novamente infrutíferas.
Comentários