Ardian e Macquarie fizeram uma oferta de cerca 3 mil milhões pela Brisa

A Bloomberg escreve hoje que a Arian SAS e o Macquarie Group Ltd. estão entre os interessados que fizeram ofertas iniciais para a Brisa, no que pode se tornar um dos maiores negócios de infraestrutura na Europa este ano. A Arcus e Jose de Mello devem, nos próximos dias, escolher uma lista de candidatos que serão convidados a fazer ofertas vinculativas.

A francesa Ardian SAS e o fundo de infraestruturas australiano Macquarie Group Ltd. fizeram uma oferta de 3,3 mil milhões de dólares (2,97 mil milhões de euros) pela participação de 80% na Brisa, avança a Bloomberg.

A agência diz que a espanhola Abertis Infraestructuras também apresentou uma oferta para comprar uma participação na concessionária de auto-estradas detida pelo Grupo Mello e pela Arcus Infrastructure Partners, na primeira fase do concurso.

A venda da Brisa pode estar entre as maiores operações de infra-estruturas da Europa este ano, diz a Bloomberg que cita fontes com conhecimento no negócio.

A Bloomberg cita fontes a dizer que o negócio pode avaliar essa participação de 80% em cerca de 3 mil milhões de euros.

A Arcus e Jose de Mello devem, nos próximos dias, escolher uma lista de candidatos que serão convidados a fazer ofertas vinculativas, disseram as mesmas fontes à Bloomberg.

Os representantes da Abertis, Arcus, Ardian, Grupo José de Mello e Macquarie recusaram comentar.

A Mergermarket já tinha avançado com as dez propostas não vinculativas entregues no passado dia 19 de dezembro para a compra de participações na Brisa.

A mesma publicação avançava que o grupo José de Mello e a Arcus poderão selecionar cinco propostas para a compra de 80% da Brisa este mês.

A Mergermarket avançou com a entrega das propostas não vinculativas pela Globalvia; Abertis;  Roadis; pelo consórcio chinês composto pela China State Construction Engineering Corporation, CNIC Corporation e o Fundo de Desenvolvimento de Cooperação entre a China e os Palop (China-Portuguese-speaking Countries Co-operation and Development Fund); o consórcio composto pelo fundo francês Ardian e a italiana Gruppo Gavio ASTM; o fundo de pensões holandês APG; os fundos de pensões canadianos Caisse de Dépôt et Placement du Québec e Canada Pension Plan Investment Board; a Macquarie Infrastructure and Real Assets e a japonesa Marubeni.

Ler mais
Relacionadas

Propostas espanholas para a compra da Brisa deverão passar à próxima fase do processo

Trata-se das propostas da Globalvia, da Abertis e da Roadis. Segundo a ‘Mergermarket’, a José de Mello e a Arcus poderão selecionar cinco propostas para a compra de 80% da Brisa na próxima semana.

PremiumA Brisa vai ter um novo acionista?

A maioria do capital da Brisa está à venda. O grupo José de Mello e o fundo Arcus colocaram à venda 80% do capital da concessionária de auto-estradas (40% cada um) no final de outubro

Brisa diz que continua a negociar com fundos credores da Brisal e da Douro Litoral

A Brisa tinha no final de agosto um acordo de princípio com os fundos credores da Douro Litoral e da Brisal para colocar um fim ao diferendo. Em reação a uma notícia sobre o Governo ter travado o acordo, a Brisa diz ao JE que continua “a acreditar e a trabalhar para encontrar uma solução consensual”.
Recomendadas

Antonoaldo Neves: Quem vai pagar os prejuízos da TAP com a suspensão de 90 dias nos voos para a Venezuela?

A suspensão da TAP nos seus voos para a Venezuela representam prejuízos de pelo menos 10 milhões de euros, referiu o presidente executivo da TAP no final da conferência de imprensa de apresentação dos resultados de 2019.

Efacec assegura que “reúne todas as condições” para pagar salários e a fornecedores

Empresa afasta qualquer cenário de incumprimento, após Isabel dos Santos, que detém perto de 70% da Efacec, ter alertado hoje em comunicado de que o congelamento de contas das suas empresas se estende ao bloqueio de ordens de pagamento de salários, impostos a fornecedores e à Segurança Social.

Segunda fase da mudança da faixa da TDT arranca dia 24 de fevereiro

A segunda fase do processo de levantamento da rede TDT da faixa que será ocupada pelo 5G abrange os distritos de Évora, Beja e Setúbal.
Comentários