Face Oculta: Armando Vara perde recurso e deverá ser preso

O antigo ministro socialista perdeu o recurso no Tribunal Constitucional e deverá cumprir, pelo menos, metade dos cinco anos de prisão efetiva a que foi condenado pelo Tribunal da Relação do Porto.

O antigo ministro socialista Armando Vara perdeu o recurso no Tribunal Constitucional (TC), no âmbito do processo “Face Oculta”, e deverá cumprir, pelo menos, metade dos cinco anos de prisão efetiva a que foi condenado, de acordo com o “Correio da Manhã” (CM) e o Jornal de Notícias (JN).

Fontes próximas de Armando Vara disseram aos matutinos que todos os recursos foram esgotados, pelo que o arguido se entregará mal transite a decisão e irá para a cadeia da Carregueira, refere a edição deste sábado do CM e do JN.

O Tribunal da Relação do Porto manteve a condenação de cinco anos de prisão efetiva do antigo vice-presidente do BCP neste processo. No passado mês de julho, em declarações à agência Lusa, o advogado Tiago Rodrigues Bastos confirmou que iria “apresentar uma reclamação” para a conferência de juízes do TC, para evitar que começasse imediatamente a cumprir a pena.

Recorde-se também que, em setembro, o jornal “Público” avançou que o ex-governante pretendia que provas como elementos bancários, escutas e documentos apreendidos em buscas fossem invalidadas no processo que envolve José Sócrates: a ‘Operação Marquês’. A defesa do antigo administrador bancário teria defendido que a atribuição do caso ao juiz Carlos Alexandre, em 2014, adveio de “manipulação dos procedimentos de distribuição” dos processos e “em grave violação das regras legais”.

Relacionadas

Face Oculta: Armando Vara vai reclamar da decisão do Constitucional

O antigo ministro vai reclamar da decisão do Tribunal Constitucional que rejeitou o recurso da sua condenação a cinco anos de prisão efetiva, no âmbito do processo Face Oculta, disse hoje o seu advogado.

Armando Vara tenta invalidar maioria das provas na ‘Operação Marquês’

A defesa do ex-ministro acredita que a imparcialidade do juiz Carlos Alexandre não ficou assegurada.
Recomendadas

Benfica quer ver ‘hacker’ Rui Pinto julgado no caso dos emails

A SAD encarnada constitui-se assistente no processo em que foi vítima de divulgação de conversação privada. Diligência terá de comportar a emissão de um novo mandado, já que o atual apenas diz respeito à Doyen e ao Sporting.

Novo mapa judicial reforça especialização e aproximação dos tribunais aos cidadãos

A nova alteração ao mapa judiciário tem como objetivo principal aproximar a justiça dos cidadãos e “corrigir os erros” da atual organização da justiça.

Montepio pagou quase 1 milhão a advogados para defenderem Tomás Correia

O Banco de Portugal pediu ainda à instituição liderada por Carlos Tavares e Dulce Mota, informações concretas sobre as deliberações tomadas na Assembleia-Geral de 16 de março de 2018.
Comentários