Arquitetura circular

É urgente analisar o potencial da fabricação digital na arquitetura como forma de redesenhar processos, aumentar a eficiência e desenvolver modelos de negócio alternativos.

Com a aliança entre sustentabilidade e tecnologia somos obrigados a adotar métodos de produção digital que auxiliem os processos na área da arquitetura. Contudo, existem vários obstáculos, especialmente, a ausência de conhecimento de muitos arquitetos sobre economia circular.

A abordagem regenerativa da economia circular tem-se manifestado, desde 2015, como uma oportunidade de reinventar processos, para que cumpram os critérios ​​recomendados pela União Europeia. Como refere Aline Guerreiro, a reciclagem, a valorização de materiais e o aumento da vida útil são premissas essenciais  para que um edifício seja regenerativo. O conceito constitui-se um meio de passagem do ‘produzir, consumir e descartar’, para o ‘produzir, consumir e valorizar’.

Neste contexto, torna-se fundamental reconhecer as possibilidades e implicações na utilização da fabricação digital na promoção da  reutilização, redução, recuperação e reciclagem. E, consequentemente, é urgente analisar o potencial da fabricação digital na arquitetura como forma de redesenhar processos, aumentar a eficiência e desenvolver modelos de negócio alternativos.

A fabricação aditiva, mais conhecida como impressão 3D, é uma tecnologia que tem a vantagem de permitir a produção de protótipos e de peças complexas a partir de modelos 3D digitais com quase todos os materiais (metais, cerâmica, cimento, polímeros, alimentos, etc.) e formas. São múltiplos os exemplos da sua aplicação na contemporaneidade, incluindo casas, mobiliário urbano, arte, etc.

O amadurecimento da tecnologia, a velocidade e a precisão da fabricação digital pessoal, defendida por Gershenfeld desde 2005, tem permitido a personalizar peças, substituir ou  corrigir sem ter que deitar fora. A fabricação aditiva está a alterar em todo o mundo, e das mais variadas formas, o desenho e a produção, conduzindo assim o design a um lugar acessível a todos.

Neste enquadramento, os arquitetos devem questionar-se sobre: como pode ser adotada uma estratégia de economia circular na área da arquitetura? O que tem a economia circular a ver com fabricação digital? Qual o papel do arquiteto no cenário da economia circular?

Destaco dois projetos em curso que podem ajudar a responder às questões colocadas. O primeiro é a 3D Print Canal House, um projeto financiado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional da União Europeia. Trata-se da impressão 3D de uma casa em tamanho real em Amsterdão, com o objetivo de revolucionar a indústria da construção e oferecer novas soluções habitacionais personalizadas em todo o mundo.

Segundo a equipa de arquitetos, não se trata apenas de impressão 3D mas de uma forma de demonstrar como os valores locais tradicionais podem ser combinados com ideias inovadoras. O material utilizado na impressão é à base de 80% de óleo de linhaça. A opção assenta na hipótese de ser possível derreter os elementos de construção e reutilizá-los para uma nova impressão.

Outro exemplo, com o objetivo de reduzir os custos de construção, o desperdício de material e aumentar a produtividade é o 3D Concrete Printing. A empresa Sika pretende com este projeto usar a impressão 3D para produzir componentes de construção e estruturas complexas, ampliando e apoiando os arquitetos nos seus projetos.

Concluindo, estes exemplos mostram-nos que há um capital de transformação nos processos arquitetónicos em curso. Os arquitetos têm agora que investigar e promover métodos de produção digital que direcionem as políticas nacionais para a manufatura de materiais e processos mais adaptados aos desafios da economia circular.

Recomendadas

A importância das novas tecnologias no mercado imobiliário

Para prosperar num mercado altamente competitivo e sujeito a oscilações frequentes, em consequência de inúmeras variáveis que o condicionam, é fundamental ter um conhecimento único do setor.

A raiz do medo

Se os ditos negacionistas pretendem ser respeitados, têm que começar por dar idêntico tratamento aos outros em vez de seguirem os passos de um aparente guru espiritual, que ora vestindo a toga, ora a beca, se permite considerar acima de outros cidadãos.

Como será o amanhã no mundo do trabalho? Responda quem puder…

A pandemia veio acelerar a mais que certa transformação digital, mas trazer agridoce incerteza ao mundo em geral, e ao trabalho em particular. A par das perdas, veio abrir oportunidades.
Comentários