Arrendamento acessível: Governo tem 30 dias para definir preços máximos

O decreto-lei relativo a este programa foi publicado esta quarta-feira, em Diário da República, dando ao Governo um prazo de trinta dias para estipular os preços máximos de renda, o rendimento máximo dos inquilinos que queiram candidatar-se a este programa e as condições mínimas dos alojamentos.

O decreto-lei que configura a criação do Programa de Arrendamento Acessível foi publicado esta quarta-feira, 22 de maio, em Diário da República, dando ao Governo um prazo de trinta dias para definir preços máximos de renda, o rendimento máximo dos inquilinos que queiram candidatar-se a este programa e as condições mínimas dos alojamentos. Este decreto-lei serve para regulamentar um programa de arrendamento com valores abaixo do que é praticado no mercado. No dia 1 de julho, o programa entrará em vigor.

O corpo geral do regulamento deste programa está definido, faltando apenas definir os critérios que indicarão quem poderá ser abrangido por este programa de arrendamento acessível. “No prazo de 30 dias a partir da publicação do presente decreto-lei, são aprovados os diplomas regulamentares”, lê-se no Decreto-Lei 68/2019.

O documento publicado em Diário da República já prevê que as famílias candidatas estarão sujeitas a um limite máximo de rendimentos, bem como a uma taxa de esforço – definida a partir do rácio entre o rendimento da família e o valor da renda paga -, que situa entre os 15% e os 35%.

Quanto aos contratos celebrados, está previsto que os senhorios que estabeleçam novos contratos de arrendamento cujo valor da renda mensal é 20% abaixo do que é praticado no mercado ficarão isentos do pagamento de IRS ou de IRC sobre rendimentos prediais.

As rendas, por sua vez, serão sujeitas a um “limite geral” por tipologia das casas – ainda por definir. Essas rendas serão ainda obrigadas a respeitar um “limite específico” que terá de corresponder a 80% do valor de referência do preço de renda dessa habitação, tendo em conta os valores divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

O decreto-lei define também que as casas terão de cumprir condições mínimas em matéria de segurança, salubridade e conforto.

Mas há mais: os contratos de arrendamento acessível serão objeto de seguros obrigatórios e, posteriormente, serão definidas regras para os limites de renda, os limites de rendimentos dos inquilinos e as condições dos alojamentos.

Quanto aos seguros, senhorios e inquilinos terão de subscrever seguros de renda para cobrir três situações distintas: falta de pagamento de renda; quebra involuntária de rendimentos de algum dos arrendatários; danos no alojamento (neste ponto, o seguro pode ser substituído pela prestação de uma caução ao senhorio, sendo que o valor da caução não pode superar o valor correspondente ao limite que estaria previsto no seguro).

O Programa de Arrendamento Acessível é gerido pelo Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana (IHRU).

Este programa tinha sido aprovado no Parlamento em 2018, tendo o agora publicado decreto-lei sido aprovado em Conselho de Ministros, em fevereiro, e referendado em maio pelo primeiro-ministro, António Costa.

O momento em que António Costa assinou a referenda mereceu, inclusive, uma publicação nas redes sociais oficiais do primeiro-ministro.

 

View this post on Instagram

 

Assinei hoje a Referenda que cria o Programa de Arrendamento Acessível. É uma medida estrutural nas Políticas Públicas de Habitação do Governo, que prevê benefícios fiscais e a diminuição do preço médio do arrendamento. Trata-se de uma isenção fiscal de tributação dos rendimentos prediais (em IRS e IRC) das casas que sejam arrendadas em média 20% abaixo do valor de referência do arrendamento da respetiva freguesia, de modo a que a taxa de esforço de cada família não exceda 35% do seu rendimento. Lisboa, 7 de maio 2019. #antoniocosta #primeiroministro #xxigoverno #republicaportuguesa #habitacao #arrendamento #ropm #saobento #lisboa #portugal (Fotos: Clara Azevedo)

A post shared by António Costa PM (@antoniocostapm) on

;

 

Ler mais
Recomendadas

Conheça a chave vencedora do Euromilhões

Em jogo está um prémio no valor de 91 milhões de euros.

Saiu de casa e não desligou o computador? Pode fazê-lo remotamente

Com o Unified Remote pode usar o seu smartphone ou tablet para encerrar o computador mesmo que esteja no outro lado do mundo.

Mais de 10 anos após primeiras reivindicações ainda não há lei das tatuagens, alerta Deco

Nas visitas realizadas pela nossa equipa da revista PROTESTE a estúdios de tatuagens verificou-se que tatuar a pele de um menor sem a autorização dos pais não levanta qualquer constrangimento a muitos profissionais.
Comentários