Arrendar casa em Lisboa é mais difícil do que em Berlim e Barcelona

A taxa de esforço das famílias atinge os 58% na capital portuguesa, de acordo com um estudo do grupo de investigação de Morfologia e Dinâmicas do Território do Centro de Estudos de Arquitetura e Urbanismo da FAUP.

Os agregados familiares têm mais dificuldades em arrendar casa na cidade de Lisboa do que em Berlim e Barcelona. Ao cruzar o valor das rendas e dos rendimentos das famílias de uma família composta por um casal e um menor dependente, a residir num T2 de 95 metros quadrados nas três metrópoles, conclui-se que a taxa de esforço supera os 30% em todos os casos.

Ou seja, as famílias destinam mais do 30% dos seus rendimentos para pagar a renda mensal, segundo um estudo do grupo de investigação de Morfologia e Dinâmicas do Território do Centro de Estudos de Arquitetura e Urbanismo da Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto (FAUP) divulgado pelo jornal “Público” na edição desta segunda-feira, dia 10 de fevereiro.

No entanto, Lisboa lidera estas percentagens, com a taxa de esforço das famílias a atingir os 58% (enquanto em Berlim é de 40% e em Barcelona se fixou nos 45%). “O mais grave é o caso português, já que nas outras duas cidades é mais comum que mais trabalhadores se afastem, e por uma maior margem, do ordenado mínimo”, explica à mesma publicação Aitor Vareo Oro, membro da equipa de investigação.

Recomendadas

Prazo para pedir apoio para dar assistência aos filhos e netos termina hoje

Os trabalhadores conta de outrem, se não conseguirem exercer as suas funções em teletrabalho, têm direito a um apoio financeiro excecional correspondente a 2/3 da sua remuneração base.

“O que vai fazer na próxima quinta-feira?”. Microsoft quer formar portugueses na quarentena

A empresa vai promover ações de formação online através de ‘webinars’. O primeiro realiza-se já amanhã, às 10h00.

Cartões contactless com novo limite de 50 euros

Esta medida surge no âmbito da pandemia da COVID 19, procurando assim o Governo alargar e manter as recomendações de distanciamento social, incentivando-se os pagamentos “sem contacto”.
Comentários