As competências delegam-se. As responsabilidades assumem-se

O assalto a Tancos entrou em força na campanha eleitoral, depois de Rui Rio ter afirmado que “não é crível” que António Costa não soubesse da alegada encenação orquestrada pela PJ Militar, que terá sido feita com o conhecimento do ministro Azeredo Lopes, segundo o Ministério Público.

O assalto a Tancos entrou em força na campanha eleitoral, depois de Rui Rio ter afirmado que “não é crível” que António Costa não soubesse da alegada encenação orquestrada pela PJ Militar, que terá sido feita com o conhecimento do ministro Azeredo Lopes, segundo o Ministério Público. “É pouco crível que um ministro não articule aspetos desta gravidade com um primeiro-ministro”, disse Rui Rio, citado pelo “Observador”.

Porém, deixemos de lado a retórica eleitoral – até porque o líder do PSD, que em tempos prometeu um “banho de ética”, tem pouca autoridade moral no que toca à forma como lida com colaboradores arguidos – e entreguemos aos tribunais o que é dos tribunais. Centremo-nos antes naquilo que podemos e devemos avaliar, que é a eventual responsabilidade política do primeiro-ministro.

Em primeiro lugar, um líder deve delegar competências, mas sem nunca deixar de assumir responsabilidades. Quando elegemos um primeiro-ministro, confiamos na sua capacidade de escolher as melhores pessoas para a sua equipa. Mas quando um ministro (ou um secretário de Estado, já agora) é acusado da prática de crimes no exercício de funções, tal significa que essa escolha poderá ter sido errada, com consequências negativas para o País.

O primeiro-ministro tem por isso explicações a dar, quanto mais não seja para esclarecer que não teve conhecimento de qualquer conduta irregular, que vai fazer tudo para que a verdade seja apurada e que lamentará o sucedido, se vier a confirmar-se que, de facto, o ex-ministro da Defesa sabia da alegada encenação. É uma questão de respeito pelos cidadãos, independentemente do período eleitoral… ou sobretudo por isso.

Recomendadas

Votar? Votar, pois então!

Prefiro ver alguns dos aspectos positivos que este acto eleitoral veio mostrar. Primeiro, que o voto antecipado e por correspondência está em crescendo.

Arrivederci, caro Mario

Tem sido um longo adeus, o do italiano que ainda dirige o Banco Central Europeu (BCE), mas com um inesperado twist no final.

Poupar é ‘cool’

De cada vez que gastamos dinheiro em algo que não nos dá um rendimento, estamos a sacrificar o nosso futuro financeiro. Poupar é ter a liberdade para decidir, para sermos mais donos do nosso destino.
Comentários