PremiumAs fintechs vão começar a dar crédito em Portugal?

Depois dos depósitos e pagamentos, as fintech preparam-se para fazer concorrência à banca em mais uma área, a do crédito

Depois dos depósitos e pagamentos, as fintech preparam-se para fazer concorrência à banca em mais uma área, a do crédito. Várias anunciaram a intenção de entrar no crédito em Portugal. A Revolut prepara-se para lançar cartões de crédito em Portugal. Isso mesmo foi assumido por Nikolay Storonsky, CEO da Revolut, na Web Summit. Assim, a Revolut prepara-se para emitir cartões de crédito já em dezembro deste ano.

“Estamos a trabalhar nisso”, disse Nikolay Storonsky. “Em dezembro vamos operacionalizar o banco e passar a emitir cartões de crédito”, acrescentou. Depois de obter uma licença bancária europeia do BCE a Revolut prepara-se para fazer aquilo que, até agora, separava os bancos das fintech: utilizar os depósitos para conceder crédito.
Foi ainda noticiado que os CTT anunciaram que fecharam um contrato para distribuir os cartões da Revolut na Península Ibérica.

Também o banco N26, que deverá fechar o ano com 100 mil clientes em Portugal, disse que quer continuar a crescer e quando atingir os 500 mil clientes, poderá alargar os serviços prestados à concessão de crédito.
A fintech Lidya, que já tem um centro tecnológico no Porto é outra que quer dar crédito. Para além de pretender aumentar a equipa nesta cidade, quer começar a conceder crédito às pequenas e médias empresas. A Lidya quer entrar em Portugal em 2020 e é uma empresa que concede crédito em 24 horas, sem colateral, e cobra juros conforme o risco de cada cliente.
Por fim, a portuguesa empresa de pagamentos Pagaqui já noticiou que ao longo do próximo ano, vai lançar uma oferta de crédito pessoal.

O universo das fintech está cada vez mais em Portugal e segundo revela o Portugal Fintech Report 2019, são já mais de 100 empresas. O setor ficou este ano marcado pela chegada de dois grandes players internacionais: a Revolut e a Monese, que estabeleceram operação em Portugal. Os segmentos dos seguros e do crédito dominam a actividade das fintechs.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Montepio entrega plano de transformação aos trabalhadores dia 6. Previstas entre 600 a 900 saídas

Plano de transformação do Banco Montepio entregue aos trabalhadores dia 6 outubro e prevê a saída de, pelo menos, 600 pessoas, e um máximo de 900, através de reformas antecipadas e rescisões por mútuo acordo. Já estão identificados 37 balcões para encerrar, estando mais cerca de 40 em equação.

Portal da Queixa. Reclamações sobre a banca disparam 47% desde o início do ano

O funcionamento do setor bancário está a gerar “maior insatisfação entre os consumidores”, segundo o Portal da Queixa, numa altura em que a banca “vive dias de maior instabilidade e em tempos de crise económica instalada”.

PremiumPlano do Montepio prevê saída de 300 pessoas até ao fim do ano

Banco propõe pagar 1,3 salários por cada ano de antiguidade no plano de reestruturação. Envio de planos ao Banco de Portugal cria tensão no conselho de administração.
Comentários