As marcas que a greve vai parar

O prejuízo não é apenas monetário mas também de reputação, e esse é o mais difícil e caro de corrigir.

A polémica é grande e está a dividir o país, mas a verdade é que esta greve de motoristas de matérias perigosas deve contar com um número cada vez mais reduzido de apoiantes. Além dos prejuízos óbvios para a vida dos portugueses, esta paralisação pode gerar prejuízos avultados a várias marcas.

Resta saber se o consumidor vai perceber quando não receber uma encomenda a tempo, ou quando não conseguir encontrar aquele produto a que está habituado na loja do costume, ou pior, quando não tiver o medicamento que precisa.

As contas que têm vindo a público não são simpáticas e colocam um nervoso miudinho em todos, até porque Portugal tem fama de país pacato, mas ninguém sabe quando e como isto vai acabar. E os cenários que se têm pintado não são bonitos.

A questão para muitos é ter uma crise em casa à conta da crise alheia e o prejuízo não é apenas monetário mas também de reputação, e esse é o mais difícil e caro de corrigir.

Muitas foram as empresas que já se adiantaram ao problema e começaram a precaver os danos, seja com avisos, emails, reforço de stocks ou abastecimento de frotas, mas se a greve durar muito tempo não haverá paciência nem compreensão possível para muitos problemas que vão surgir a todos os níveis.

Resta saber também como se sairá a marca Portugal deste filme de terror que se avizinha. Como vamos gerir este cenário e impor ordem no caos. Para já, a tensão impera e com decisões arriscadas. Esperemos para ver.

Recomendadas

‘Hacker’ suspeito de invadir sistema do tribunal eleitoral do Brasil foi preso em Portugal

Um ‘hacker’ suspeito de invadir o sistema informático do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) do Brasil foi preso hoje em Portugal, numa operação conjunta entre a Polícia Federal e a Polícia Judiciária Portuguesa, que levou a três detenções, no Brasil.

Oh meu Deus!

Aparentemente, não faltam religiões e deuses por aí, mas nada se compara à nova religião que Trump quer criar, cujo preceito fundamental é: manda quem fica em segundo lugar.

Um imposto sobre a riqueza para um crescimento partilhado

Os atuais sistemas fiscais têm permitido mitigar a desigualdade de rendimentos. No entanto, a desigualdade de riqueza persiste e mantém uma tendência crescente.
Comentários