“As pessoas têm medo, até de um simples aperto de mão”. Portuguesa em Itália conta como se lida com o coronavírus

“Na zona de Milão, os supermercados estão completamente vazios e não se encontra máscaras de proteção facial em lado nenhum”, relata ao JE uma jornalista portuguesa que reside na zona da Toscana, perto de Florença, região onde, para já, tudo está tranquilo no que diz respeito a casos de coronavírus.

“Em Itália, existe o receio de que o coronavírus se possa espalhar por todo o lado. Até de um simples aperto de mão as pessoas têm medo”. Margarida Rodrigues, jornalista e tradutora portuguesa radicada em Itália desde março de 2007, falou com o JE sobre o ambiente que se vive em Itália, numa altura em que o número de mortos através de coronavírus ja chegou às sete vítimas.

Um cordão sanitário foi instalado hoje à volta de 11 cidades do norte de Itália, o coração económico do país, para conter a disseminação do novo coronavírus, que já matou cinco pessoas no país.

O surto repentino de novos casos de coronavírus, passando de 6 para 219 o número de infetados em quatro dias, faz da Itália o país mais afetado da Europa e o terceiro do mundo depois da Coreia do Sul e da China.

O anúncio hoje feito da morte de um homem de 88 anos perto de Milão, na Lombardia (noroeste), aumentou o número de vítimas mortais para cinco, todas no norte do país: quatro na Lombardia e uma no Veneto (nordeste), todas idosas e que muitas vezes já sofriam de outras patologias. A primeira morte de um italiano – e a primeira de um europeu – foi anunciada sexta-feira numa vila perto de Pádua, em Veneto.

“Na zona de Milão, os supermercados estão completamente vazios e não se encontra máscaras de proteção facial em lado nenhum”, relata ao JE a portuguesa que reside na zona da Toscana, perto de Florença, região onde, para já, tudo está tranquilo no que diz respeito a casos de coronavírus.

A jornalista está atenta a alguns fenómenos que mostram a forma como os italianos estão a lidar com o surto de coronavírus. Na província de Grosseto, os padres foram aconselhados a ter algum cuidado na forma como distribuem a comunhão e a não fazê-la através da língua.

Crise já afetou bolsa de valores

O chefe da proteção civil italiana, Angelo Borrelli, procurou sossegar a população, dizendo que estão a ser tomadas todas as medidas relevantes para garantir a segurança das pessoas.

Esta crise já afetou a bolsa de valores de Milão, que estava em queda ao início da tarde de hoje.

Na Lombardia – a região mais afetada, com 167 casos – o metro de Milão circulava com carruagens meio vazias, numa cidade com museus, universidades, cinemas e teatros (incluindo o prestigiado La Scala) fechados

Como consequência desta alteração de rotinas citadinas, alguns supermercados milaneses já foram assaltados e o presidente da Câmara, Beppe Sala, pediu aos seus habitantes para ajudar a população mais vulnerável, incluindo os idosos.

“Temos certeza de que as medidas que tomámos impedirão a propagação do contágio”, garantiu o presidente do governo regional da Lombardia, Attilio Fontana.

Na Ligúria (noroeste), a celebração de eventos religiosos foi suspensa e apenas funerais e casamentos permanecem agendados, desde que destinados a pequenos grupos.

O governo da região de Veneto decretou no domingo a suspensão das festividades do famoso carnaval de Veneza – que deve terminar na terça-feira – além de eventos desportivos e o encerramento de escolas e museus.

 

Ler mais
Relacionadas

Covid-19. Itália confirma sétima vítima mortal e 219 pessoas infetadas

As autoridades lutam neste momento para conter o surto que já contaminou cerca de 219 pessoas desde sexta-feira e isolou mais de 10 regiões no Norte de Itália.

Covid-19. Bruxelas disponibiliza 232 milhões de euros para luta global contra coronavírus

A Comissão Europeia anunciou ainda um novo pedido de avaliação de risco ao Centro Europeu de Prevenção e Controlo das doenças, que fará ainda parte de uma missão conjunta com a Organização Mundial da Saúde que parte esta terça-feira para Itália.

Coronavírus: Alemanha não está a considerar encerrar as fronteiras

Com a vizinha Itália a braços com um aumento repentino do número de casos de pessoas infetadas pelo coronavírus, a Alemanha não considera encerrar as suas fronteiras, segundo o porta-voz do ministro do interior.
Recomendadas

Quando um vírus serve para tentar legitimar as democracias musculadas

Populações são condescendentes com limitações no contexto de estado de emergência, mas há governos que tendem a exagerar as intrusões e a eternizar as medidas de exceção. Os suspeitos são os do costume.

Reino Unido poderá demorar mais de seis meses a regressar à normalidade

A previsão foi avançada durante o encontro virtual com os meios de comunicação, realizado diariamente a partir de Downing Street, – residência oficial do primeiro-ministro, Boris Johnson – que hoje contou também com o ministro britânico da Habitação, Robert Jenrick.

Alemanha. Ministro das finanças do estado de Hasse encontrado morto em linha do comboio

Thomas Schäfer tinha 54 anos e tinha aparecido recentemente em diversos eventos públicos para alertar para o risco do contágio da Covid-19. Era membro da CDU, o partido de centro-direita da chanceler Angela Merkel.
Comentários