“Os mais rápidos do mercado”. Porque é que a Apple passou a fabricar os seus próprios processadores?

A Apple decidiu avançar com a sua própria linha de produção de processadores que afirmam ser “os mais rápidos do mercado”, uma frase surpreendente tendo em conta a história e a experiência de algumas das maiores fabricantes de chips do mundo.

Depois de anunciar os novos chips para os seus dispositivos, a Apple finalmente quebrou a dependência da fabricante Intel que durava há 15 anos. As razões para tal mudança prendem-se com vários fatores, entre eles a independência na linha de produção, como forma de gerir a forma como as suas aplicações mais importantes funcionam, segundo o “Expansión”.

O surgimento de empresas especializadas em chips, fabricantes de hardware e o aumento do interesse em software, têm definido a computação principalmente por uma estrutura horizontal e fixa. Junto com a experiência necessária para projetar processadores cada vez mais complexos, os fabricantes de chips enfrentaram os pesados ​​custos de capital necessários para trabalhar com a mais recente tecnologia industrial.

Nesse sentido, a Apple decidiu avançar com a sua própria linha de produção de processadores que afirmam ser “os mais rápidos do mercado”, uma frase surpreendente tendo em conta a história e a experiência de algumas das maiores fabricantes de chips do mundo. Ainda assim, tais afirmações precisam de ser avaliadas por investigadores independentes.

Vários são os fatores que estão a forçar esse nível mais alto de integração vertical no mundo tecnológico. Um é que as necessidades estão a mudar, ou seja, a última década foi definida pelo surgimento de smartphones e data centers na nuvem, inaugurando, assim, a era da ‘Big Data’, da inteligência artificial (IA) e da Internet das coisas. Mais e mais poder de processamento está a ser exigido para introduzir IA em cada dispositivo. Portanto, tornou-se essencial aumentar o desempenho e, ao mesmo tempo, reduzir o consumo de energia.

Os chips personalizados são a maneira mais rápida de obter vantagem competitiva. A Tesla, por exemplo, está a apostar que pode produzir um carro autónomo usando apenas IA para analisar as imagens das câmaras do carro. A maioria dos seus rivais acredita que isso seja ambicioso demais. No entanto, com o equivalente a um supercomputador com chips projetados por eles mesmos encaixados em todos os carros, a Tesla acredita que pode provar que os críticos estão errados.

Outro fator que auxilia nessa nova verticalização da tecnologia tem sido uma mudança na estrutura da própria indústria de semicondutores. O surgimento de fabricantes de chips especializados, liderados pela Taiwan Semiconductor Manufacturing, tornou mais fácil para os recém-chegados produzir seu próprio silício. O novo chip M1 da Apple, feito pela TSMC, segue um processo de fabricação mais avançado do que a Intel pode alcançar durante os próximos tempos.

Mas um chip envolve muito mais do que design e fabrico. Há todo um trabalho de transformar um pedaço de silício fresco do fabricante no produto final, incluindo embalagem, montagem e teste. Isso tem levado empresas como a Marvell Technology a procurar um novo negócio trabalhando com a grande tecnologia.

A Google poderá fazer grande parte do trabalho de design dos seus chips de IA, mas depende diretamente da Broadcom para o resto do processo. Na mesma linha, os chips SQ2 que a Microsoft fabrica para os seus modelos de tablet Surface são “co-projetados” com a Qualcomm.

Não é claro o quão longe empresas como essas irão na competição direta com empresas de chips estabelecidas. Mas, a julgar pelo que a Apple afirmou na semana passada, aprofundar o conhecimento sobre o silício tornou-se num diferencial importante.

Ler mais
Relacionadas

Apple anuncia três novos computadores com chip apelidado como “o mais rápido do mundo”

A Apple apresentou ao mundo o primeiro chip feito pela empresa, o Apple Silicon Chip Mac 1 (M1) que já estará disponível em três computadores. As novidades prendem-se precisamente com a introdução do novo hardware, que vai potenciar todas as funcionalidades já existentes.
Recomendadas

Conta do FC Barcelona no TikTok ajudou clube a aproximar-se dos fãs

Pelo sexto ano consecutivo, o clube catalão lidera em ‘gostos’, comentários e partilhas.

PremiumPrimeiro dia da fase principal do leilão do 5G gera mais de 180 milhões euros

Fase de licitação das faixas essenciais ao 5G gera interesse, apesar das criticas dos ‘players’ ao regulador. Tiveram lugar quatro rondas.

Google completa aquisição da Fitbit por 2,1 mil milhões de dólares

As empresas obtiveram a aprovação do organismo antitruste da União Europeia em dezembro de 2021, depois da Google ter aceite as restrições sobre como usará os dados de saúde dos clientes.
Comentários