ASAE aperta o cerco ao alojamento local ilegal

A Autoridade de Segurança acredita que 20% dos espaços registados em plataformas ‘online’ como o Airbnb ou Booking estão ilegais e está, por isso, a fazer o cruzamento dos dados divulgados na internet com o Registo Nacional do Alojamento Local (RNAL) para combater a concorrência desleal.

Os inspetores da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) estão a apertar o cerco aos alojamentos locais não registados, avança o jornal Diário de Notícias esta sexta-feira. A autoridade acredita que 20% dos espaços registados em plataformas digitais como o Airbnb ou Booking estão ilegais e está, por isso, a fazer o cruzamento dos dados divulgados online com o Registo Nacional do Alojamento Local (RNAL) para combater a concorrência desleal.

“Cabendo à ASAE a fiscalização, tem vindo a ser efetuada de forma periódica, desde dia 3 deste mês, uma pesquisa às ofertas existentes nas plataformas online de arrendamento de curta duração, bem como aos sites de promoção turística, para verificação do cumprimento legal”, adiantou o Ministério da Economia ao ‘DN’. “Esta autoridade irá continuar a desenvolver as ações que considere necessárias por forma a garantir a segurança dos consumidores.”

A ASAE estima de sejam quase dez mil unidades que não cumprem os requisitos e atuam à margem da lei, a juntarem-se às quase 48 mil unidades legalizadas. Ainda assim, a Autoridade de Segurança nota que os espaços ilegais tem vindo a diminuir, fruto de um maior controlo aos registos dos espaços.

“Em 2013, os espaços ilegais representavam quase 50% do universo de alojamento local. Hoje apontamos para 20%”, afirma Rita Cardoso, vice-presidente da Associação do Alojamento Local (ALEP), lembrando que “os primeiros interessados [da fiscalização] são os que operam no setor”.

Desde 2015, a ASAE instaurou 430 processos de contraordenação por irregularidades no alojamento de curta duração.

Relacionadas

Fisco e ASAE investigam 3.750 alojamentos locais

Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) informa que a ação de fiscalização mobilizou 640 agentes.

Ter casa sem registo no Airbnb dá multa até 35 mil euros (já a partir de amanhã)

A partir de 1 de julho as plataformas eletrónicas como a Airbnb, Booking ou Homeaway vão ter de exigir a todos os proprietários o número do Registo Nacional de Turismo. Quem não cumprir a nova regra arrisca sanções. Há multas para os proprietários e para as plataformas, e podem chegar aos 35 mil euros.

Atenção às burlas com arrendamento de casas de férias

Denúncias recebidas têm a ver com o facto de se arrendar uma casa que é inexistente. Também há casos em que a casa não corresponde ao anunciado.
Recomendadas

Banco Atlantico, Montepio, EDP, CGD, Patris, Totta, CCCAM, BPG e BPI multados

Banco de Portugal voltou a atualizar a lista de decisões sobre processos de contraordenação que foram instaurados ao sistema financeiro nos últimos anos.

Passageiros da Mafrense receiam falta de autocarros

Empresas de transportes, como a rodoviária Mafrense, enfrentam falta de motoristas para responder ao aumento de passageiros provocado pelo disparo no pedido de passes sociais, ocorrido a partir desta semana.

Jornal Económico teve melhor desempenho de sempre no primeiro trimestre de 2019

Site do Jornal Económico recebeu 12,5 milhões de visitas entre janeiro e março de 2019, o que representa uma subida de 20% face ao mesmo período do ano passado. Número de utilizadores do site cresceu 30% para cinco milhões e circulação da edição semanal superou pela primeira vez a fasquia dos dez mil exemplares. Obrigado pela sua preferência!
Comentários